Aeroportos têm movimento intenso e 22,1% dos vôos atrasam

No Rio, Aeroporto Tom Jobim teve madrugada de atrasos e discussões, pela manhã, movimento era intenso

21 de dezembro de 2007 | 12h48

No dia em que as medidas do governo contra o caos aéreo entram em vigor, os passageiros enfrentavam filas, atrasos e cancelamentos nos aeroportos do País. Até o meio-dia desta sexta-feira, 21, 197 (22,1%) dos 892 vôos programados tinham atrasos superiores a uma hora, segundo a Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero). Dos vôos previstos até o horário, 75 haviam sido cancelados, o equivalente a 8,4%. Passageiro não será ressarcido por vôo com atraso no fim de anoConac revoga resolução que transferia vôos para Jundiaí   No Rio de Janeiro, a madrugada foi de atrasos e discussões no Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão), que tinha movimento intenso durante a manhã desta sexta. Até às 12 horas, 21,8% dos vôos tinham atrasos no terminal. Dos 87 vôos programados, 19 tinham atrasos superiores a uma hora e nove foram cancelados, segundo a Infraero.  Para fiscalizar o aeroporto, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) colocou 40 fiscais circulando pelos saguões dos terminais 1 e 2 do Galeão. Eles tentavam resolver os casos mais graves de atraso no embarque, como o da empregada doméstica Inácia Silva, que tentava embarcar desde à noite de quinta-feira para Maceió.  Inácia só conseguiu embarcar no avião da OceanAir na manhã desta sexta, após intervenção de funcionários da agência. No Santos Dumont, que concentra a Ponte Aérea Rio-São Paulo a situação era mais calma: nenhum vôo tinha atraso e 12 haviam sido cancelados entre os 32 programados. (Com informações de Pedro Dantas, de O Estado de S. Paulo.)

Tudo o que sabemos sobre:
crise aéreaaeroportos de SP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.