Aeroviários de 5 aeroportos do País estão em greve

Serviços são afetados em Belo Horizonte, Fortaleza, Brasília, Salvador e Rio; dentre as reivindicações, sindicato pede 14% de reajuste para trabalhadores que recebem o piso

Pedro da Rocha, do estadão.com.br,

23 de dezembro de 2011 | 00h14

SÃO PAULO - O Sindicato Nacional dos Aeroviários (SNA), ligado à CUT, anunciou nesta quinta-feira, 21, paralisação parcial de pessoal de pista (operadores, auxiliares, despachantes de mala, motoristas de trator etc) nos aeroportos Tom Jobim, no Rio, Confins, em Belo Horizonte, de Fortaleza, Brasília e Salvador.

 

A presidente do sindicato, Selma Balbino, estava na noite de ontem no aeroporto internacional do Rio, realizando manifestação com o pessoal de pista, reunidos do lado de fora da entrada. Eles vão reavaliar a situação a cada seis horas, para decidir se mantêm ou não a paralisação.

 

O Aeroporto Tom Jobim foi o que registrou maior percentagem de problemas em voo, entre as 23 horas e meia-noite de quinta-feira: 3,6% das viagens domésticas e 14% das internacionais sofreram atrasos, e 2,6% e 7%, respectivamente, foram canceladas. No Aeroporto de Confins, apenas 3,8% dos voos locais e 10% daqueles com destino para fora do país não saíram no horário; nenhum voo foi desmarcado neste aeroporto. Em Fortaleza, 2,4% das viagens nacionais foram canceladas, enquanto que em Brasília, 2,1% dos voos domésticos sofreram atrasos, e 1,7% acabaram cancelados. Em Salvador, apenas 2,1% das viagens locais não saíram no horário, e 4,1% foram adiadas.

 

O sindicato pede 14% de reajuste para trabalhadores que recebem o piso, 10% para os demais funcionários e R$ 1.200 de piso para operadores e despachantes de mala. As empresas ofereceram 6,17% de reajuste.

 

Funcionários do Tom Jobim estão divididos entre sindicatos da CUT, ligados ao SNA, e sindicatos ligados à Força Sindical. Estes últimos já fecharam acordo com as empresas aéreas nesta semana e não entrarão em greve.

 

Os aeronautas (pilotos e comissários) fecharam acordo na quinta-feira com reajuste de 6,5% e tampouco farão greve.

 

Notícia atualizada às 00h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.