Afastados funcionários de prisão onde está goleiro Bruno em MG

Ambos fazem parte de grupo investigado pela Corregedoria do Estado por desvio de conduta

Solange Spigliatti, estadão.com.br

25 de julho de 2011 | 17h44

SÃO PAULO - Dois funcionários da Penitenciária de Segurança Máxima Nelson Hungria, em Contagem (MG), onde está preso o ex-goleiro Bruno Fernandes, de 26 anos, acusado de mandar matar a ex-amante Eliza Samudio, há um ano, foram afastados do cargo. Segundo a Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) de Minas Gerais, a funcionária Márcia Ermelinda Fortes, ex-diretora de atendimento da penitenciária foi exonerada no último dia 21 de abril.

Ela foi exonerada por incompatibilidade com o cargo exercido e por não atender às necessidades da nova direção, além de fazer parte do grupo de funcionários investigados pela Corregedoria do Sistema Prisional do Estado, por desvio de conduta, segundo o Seds.

Márcia pode ter feito parte do esquema que facilitava os contatos telefônicos entre o goleiro Bruno e a noiva dele, a dentista carioca Ingrid Calheiros Oliveira. O órgão não confirmou se as ligações foram o motivo da exoneração.

A Seds confirmou também o afastamento do ex-diretor do presídio Cosme Dorivaldo Santos. Ele foi afastado do cargo e transferido para o Centro de Remanejamento do Sistema Prisional de Belo Horizonte. Ele também está sendo investigado, segundo o Seds. No último dia 7, completou um ano que o atleta está preso, acusado do sequestro e homicídio de Eliza Samudio, desaparecida desde 10 de junho de 2010.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.