Roberta Bourguignon
Roberta Bourguignon

Agência aplicou 85 multas contra concessionária que controla rodovia de tragédia no ES

Acidente deixou 23 mortos; diretor-geral da ANTT, no entanto, isentou a empresa de responsabilidade

André Borges, O Estado de S.Paulo

04 de julho de 2017 | 16h29

BRASÍLIA - O diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Jorge Bastos, afirmou nesta terça-feira, 4, que o órgão de fiscalização tem adotado postura crítica em relação à concessionária Eco101, que desde maio de 2013 administra um trecho de 475,9 quilômetros da BR-101, cortando todo o Estado do Espírito Santo, entre a Bahia e o Rio de Janeiro.

“Depois que a concessionária assumiu a rodovia, diminui sensivelmente o número de vítimas e acidentes. Há falhas da concessionária? Claro que há. Mas a ANTT tem cumprido seu papel. A agência já aplicou 85 autos de infração graves contra a concessionária, que somam R$ 32,401 milhões em multas”, declarou Bastos, durante audiência pública realizada nesta terça-feira, 4, pela Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara.

Jorge Bastos, no entanto, isentou a concessionária de responsabilidade sobre a tragédia ocorrida na manhã do dia 22 de junho, quando um acidente entre uma carreta, um ônibus e duas ambulâncias se chocaram em Guarapari, no Espírito Santo, matando 23 pessoas e deixando 19 feridos.

Segundo o diretor-geral da ANTT, investigações já realizadas apontaram que o motorista do ônibus estaria sob o efeito de drogas, como cocaína. O ônibus que seguia pela BR-101 levava 32 pessoas - 31 passageiros e o motorista - de São Paulo até a capital capixaba. Algumas vítimas foram arremessadas para fora dos veículos e outras, carbonizadas.

Durante a audiência pública, a ANTT foi questionada sobre a conclusão de balanças de fiscalização no trecho. Há informações de que o ônibus estaria com peso acima do permitido, mas que isso não teria sido identificado. O trecho envolve quatro balanças localizadas nos municípios de Linhares, Serra, Rio Novo do Sul e Viana. Esta última, no entanto, não está concluída e as demais têm falhas de funcionamento, por conta de restrições de orçamento e de pessoal da ANTT. “A balança não funciona como deveria, 24 horas por dia”, admitiu Jorge Bastos.

O diretor-geral da ANTT afirmou ainda que, a exemplo da Eco 101, todas as demais concessões realizadas desde 2012 enfrentam dificuldades financeiras para cumprir seus contratos e que, por conta do cenário econômico, a agência tem discutido o tema com cada uma das concessionárias. “Em alguns casos, a concessão não está funcionando. A agência tenta regular o contrato da melhor maneira possível. Toda terceira etapa tem problema. Por isso, nós temos um trabalho grande de melhorar esses contratos.”

A Eco 101 pertence à Eco Rodovias, companhia que controla outras concessões no País. O diretor-superintendente da ECO 101, Roberto Paulo Hanke, afirmou que as obras estão em andamento no trecho, mas reconheceu que a companhia não terá condições de entregar 50% da duplicação de todo o trecho daqui a dois anos, por isso a empresa pediu para que os prazos sejam reavaliados. “Na parte financeira, estamos tendo uma frustração muito grande de tráfego”, disse Hanke.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.