Agência L´Equipe, da top Ana Carolina, mal a conhecia

Lica Kohlrausch, a diretora da agência de modelos L´Equipe, que cuidava da carreira da modelo Ana Carolina Reston Macan, de 21 anos, que morreu na última terça-feira, divulgou um comunicado à imprensa para explicar a relação de sua agência com a modelo. A top morreu vítima de anorexia nervosa, depois que o seu quadro se agravou e evoluiu para uma infecção generalizada.A jovem, nascida em Jundiaí, numa família de classe média, tinha cerca de 40 quilos e 1,74 m de altura e um Índice de Massa Corporal (IMC) de apenas 13,2, quando o ideal é 18,5, de acordo com a Organização Mundial da saúde (OMS). Para calcular o índice, divide-se o peso pela altura ao quadrado. A menina deveria pesar pelo menos 57 quilos para estar saudável de acordo com o índice. Ana Carolina estava internada desde 25 de outubro com insuficiência renal. Foi enterrada no cemitério de Pirapora do Bom Jesus, na Grande São Paulo. Segundo o relato de Lica Kohlrausch, a agência que tinha contrato com a modelo desde 2005, mal a conhecia, como diz textualmente a nota "... a L´Equipe Agence praticamente passou a agenciar a modelo sem conhecê-la pessoalmente e, principalmente, sem tomar conhecimento de que ela já apresentava um quadro de anorexia".Confira a íntegra da nota:"A agência L´Equipe Agence, empresa que cuidava da carreira de Ana Carolina Reston, falecida no último dia 14 de novembro, vem por esse comunicado esclarecer alguns fatos.A modelo Ana Carolina (conhecida como Carol Reston) passou a fazer parte do casting da nossa agência em meados de julho de 2005. Ela chegou até nós por meio de algumas modelos da L´Equipe Agence que estavam trabalhando no México e a aconselharam a me procurar, já que certamente eu a ajudaria. Algumas complicações com sua agência anterior do Brasil, e seu contrato de trabalho no México, foram os motivos que fizeram a Carol buscar a minha ajuda. Na ocasião, a modelo perdeu o contato com a sua agência no Brasil, além da sua passagem aérea de volta ao País, que já se encontrava expirada.A direção da L´Equipe Agence, atendendo imediatamente ao pedido da modelo, que necessitava de uma representação urgente no México, pois não tinha nem lugar para morar, solicitou a uma agência-parceira mexicana (Shok Models) que a contratasse, já que a empresa local que a estava representando, até então, não demonstrara a preocupação necessária com a modelo. Sendo assim, a L´Equipe Agence praticamente passou a agenciar a modelo sem conhecê-la pessoalmente e, principalmente, sem tomar conhecimento de que ela já apresentava um quadro de anorexia.Segundo a agência mexicana que a assumiu, Carol estava magra mas com cara de saudável e foi solicitado a ela que ganhasse alguns quilos, já que o mercado do México exige modelos com mais curvas, perfil diverso ao da Carol. Ainda no México a modelo Carolina solicitou então que conseguíssemos um contrato no Japão.Atendendo a seu pedido foi negociado então um contrato com uma agência em Osaka. Na cidade, a modelo realizou trabalhos, porém a agência japonesa nos comunicou que a Carol estava muito magra e, por essa razão, deveria retornar ao Brasil. Ela voou de Osaka para o México e imediatamente compramos um bilhete do México para o Brasil. Com seu retorno, nós a encontramos pela primeira vez e percebemos que ela poderia estar realmente apresentando um problema grave de saúde. Imediatamente a equipe da agência indicou o Dr. Tommaso, um experiente especialista no tratamento de doenças relacionadas a transtornos alimentares, que trabalha conosco há anos.A modelo não compareceu às consultas e a agência foi comunicada. Após conversa, Carolina ficou de agendar novos encontros com o médico. Na mesma ocasião, o pai da modelo foi internado apresentando um quadro grave de saúde e a agência optou por deixá-la ao lado da família, não marcando mais nenhum trabalho com ela, até que passasse esse período. E que ela pudesse se recuperar emocionalmente de tudo que estava acontecendo em sua vida.Após a internação de Carolina no hospital, constantemente, um funcionário da agência a visitava, e toda a equipe médica responsável pela modelo demonstrava extrema preocupação com o caso, pois ela sentia fortes dores nos rins e apresentava um quadro de infecção generalizada.Sobre o possível trabalho que Carolina realizaria em Paris, mencionado em diversas matérias sobre o caso, veiculadas na imprensa, a direção da agência afirma não ter conhecimento, já que nos últimos dias, Carolina encontrava-se relativamente afastada da agência para os cuidados com sua saúde. AL´Equipe reforça que sua filosofia sempre foi cuidar da saúde de seus profissionais, baseado em hábitos alimentares e físicos saudáveis, e lamenta muito o fato ocorrido com Ana Carolina Reston. E mesmo nesse período agudo, a agência nunca deixou de prestar ajuda à modelo e sua família.Somos uma agência séria e reconhecida pelo mercado por aconselhar e cuidar de todas as nossas modelos, sem estipular qualquer tipo de padrão estético. Aconselhamos, inclusive, a continuidade dos estudos, cursos de línguas e dramaturgia, pois isso possibilita uma gama maior de trabalhos e, conseqüentemente, sucesso profissional.Não exigimos que nossos profissionais sejam ?magérrimos?. Aqueles que possuem o biotipo e as medidas naturalmente estreitas, trabalham com moda, e os que não têm, seguem para a propaganda.É bom ressaltar, que como em qualquer segmento da economia, existem agências boas e ruins. A L?equipe se posiciona do lado das boas, com uma história de 18 anos, intacta e sempre correta com seus profissionais, que somam mais de 180 no nosso casting.O importante nessa triste história é entender o que pode ter levado uma menina maravilhosa, como a Carolina, a uma tragédia como essa".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.