Agente de trânsito comete 9 infrações em 10 minutos em RS

Motorista foi perseguido por policiais rodoviários desde a BR-290, na zona norte de Porto Alegre, até o centro

Elder Ogliari, O Estado de S.Paulo

13 Outubro 2008 | 17h56

O agente de trânsito de Porto Alegre André Rolim Félix, de 33 anos, foi autuado por cometer nove infrações de trânsito em apenas dez minutos no final da tarde de domingo e perdeu o emprego na Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) de Porto Alegre nesta segunda-feira, 13.   As transgressões foram percebidas pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) no quilômetro 86 da BR-290, na zona norte de Porto Alegre, por volta das 18 horas de domingo, e só terminaram 15 quilômetros e dez minutos depois, na Rua Sarmento Leite, na região central da cidade, onde Félix foi detido.   Inicialmente, o agente não obedeceu à orientação de parar e seguiu conduzindo seu Honda Civic particular em alta velocidade, ultrapassando em ziguezague e chegando a atingir até 150 quilômetros por hora, segundo os policiais rodoviários. Quando parou, ele se negou a fazer o teste do bafômetro, mas os policiais registraram o termo de constatação de embriaguez pelos sinais que perceberam, como fala arrastada, exaltação e agressividade. Duas filhas de Félix estavam dentro do automóvel.   O agente de trânsito admitiu que havia ingerido 200 mililitros de uma bebida com vodca e um energético, mas não se considerou embriagado e alegou que trafegava na velocidade permitida pela rodovia, de 100 quilômetros por hora.   Pela sucessão de transgressões, Félix terá de pagar R$ 1,7 mil em multas e teve 43 pontos anotados em sua carteira de habilitação. A EPTC tomou a decisão de exonerá-lo ao final desta tarde, após consulta ao departamento jurídico. O diretor-presidente da empresa, Luiz Afonso Senna considerou o fato como "extremamente grave", pelo potencial de macular a imagem da empresa, mesmo que o servidor tenha praticado os atos num dia de folga.   Atualizado às 20h21 para acréscimo de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.