Agente ferido em rebelião no PR está em estado grave

A Secretaria da Segurança Pública e o Hospital Costa Cavalcanti negaram, na tarde desta quarta-feira, 20, a morte do segundo agente penitenciário atingido por tiros na rebelião de presos da Cadeia Pública de Foz, no oeste do Paraná. A informação sobre o falecimento foi dada no início da tarde pela Polícia Civil. De acordo com o hospital, o estado de saúde de César Majte é "gravíssimo" e ele permanece na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Na rebelião, iniciada na manhã de terça e encerrada nesta quarta, morreram o agente Alcindo Desidério e o preso Fernando Dendena. Pelo menos outras dez pessoas teriam ficado feridas, mas sem gravidadeA polícia realiza uma varredura na cadeia, que abriga 778 presos, mas tem capacidade para 350. Os presos rebelados tinham duas pistolas e dois revólveres.Matéria alterada às 17h18 para correção de informação

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.