Agente penitenciário é preso com 800 gramas de maconha

O agente penitenciário Luiz Carlos da Graça foi preso em flagrante com quase 800 gramas de maconha, prensada em dois tijolos, no presídio Ataliba Nogueira, uma das seis unidades do Complexo Penitenciário de Hortolândia. Ele tinha 14 anos de profissão como agente penitenciário. Foi detido no final da tarde de ontem, quando deixava o trabalho, e permanece preso.Os agentes que trabalhavam com Graça receberam uma denúncia há uma semana de que o colega entregava drogas aos presos do Ataliba Nogueira. Ontem ele foi vigiado o dia todo. No final do expediente, outros agentes revistaram a sacola de Graça e encontraram a maconha. A polícia suspeita que ele não tenha conseguido entregar o entorpecente aos presos porque teria sido observado o dia todo. Graça foi autuado em flagrante por tráfico de drogas. A Coordenadoria Regional de Presídios também abriu contra ele uma sindicância, que deverá resultar em processo administrativo disciplinar, conforme a assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária. Ele pode receber de advertência até exoneração do cargo como punição, além de responder ao inquérito criminal. O acusado ficou detido no próprio complexo de Hortolândia, no Centro de Detenção Provisória (CDP). Ele teria dito aos agentes que a droga não lhe pertencia e que o flagrante havia sido "forjado".RebeliãoA assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária informou hoje que as cadeias e presídios do Estado estarão em estado de alerta neste final de semana, após denúncias de que uma megarrebelião está sendo organizada para ocorrer durante as eleições. Segundo a assessoria, a Secretaria tem conhecimento da ameaça, mas não irá aumentar o efetivo nem intensificar a segurança nos presídios. Ainda conforme a assessoria, medidas mais drásticas somente serão tomadas se "forem necessárias".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.