Agente penitenciário suspeito de filmar Bruno na cadeia é ouvido em Minas

Novas imagens vazaram na TV; 'Vou processar o Estado', diz atleta em vídeo divulgado no SBT

Priscila Trindade, da Central de Notícias

23 de julho de 2010 | 16h21

SÃO PAULO - O agente penitenciário suspeito de fazer um vídeo do goleiro Bruno Fernandes, afastado do Flamengo, dentro da penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, em Minas Gerais, foi ouvido na tarde desta sexta-feira, 23, na corregedoria da Secretaria de Defesa Social (Seds). As imagens foram divulgadas na quinta-feira, 22, no canal SBT.

 

Veja também:

linkJustiça recebe pedido de habeas corpus para mulher de Bruno

linkPolícia vai devolver cães de Bola, diz advogado

linkPromotor afirma que menor participou do sequestro

especialCronologia multimídia do caso

 

Na gravação, Bruno afirma que vai processar o Estado. "Tá acabando o prazo deles. Eu acho que vou processar o Estado, por tudo o que fizeram comigo... Eu perco de um lado e ganho de outro. Só que eu perdi mais que ganhei", disse.

 

Segundo o órgão, um processo administrativo foi aberto para apurar o caso. O agente terá cinco dias para apresentar explicações. Se confirmada a denúncia contra o agente, ele pode ser demitido, pois ele não é concursado. O funcionário trabalha há cerca de três anos no sistema prisional.

 

Bruno é suspeito de ter envolvimento no sumiço da sua ex-amante Eliza Samudio, de 25 anos. A jovem tentava provar na Justiça que o atleta é pai de seu filho de quatro meses.

 

Recorrente. Não é a primeira vez imagens de Bruno preso vazam para a televisão. Outro vídeo foi exibido na TV Globo no programa Fantástico, no domingo, 18. Nessas imagens, eles comenta sobre o desaparecimento de Eliza.

 

A gravação feita por um investigador de polícia foi realizada no interior da aeronave que transportou Bruno do Rio de Janeiro para Belo Horizonte, na noite de 8 de julho. A Polícia Civil informou que a filmagem, registrada em uma máquina fotográfica digital, serviria como registro da operação.

 

A investigação preliminar da Corregedoria Geral de Polícia não apontou o responsável pelo vazamento do vídeo para a imprensa. O prazo para a conclusão do inquérito policial é de 30 dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.