Agentes agiram corretamente na abordagem, diz chefe de delegacias

O delegado Alan Turnowski, chefe das Delegacias Especializadas, disse ontem que os policiais agiram corretamente na abordagem aos assaltantes, numa ação que terminou na morte de dois inocentes. Segundo o delegado, os agentes não tinham outra alternativa porque os criminosos reagiram a tiros. "No Rio de Janeiro há a cultura do bandido de enfrentamento. Mesmo machucados, eles saíram do carro armados de pistola e dispararam 50 tiros contra os policiais, armados de fuzis. A reação do policial não podia ser diferente", afirmou. Nenhum policial ficou ferido. Um tiro atingiu o pára-choque do carro da Delegacia de Repressão a Armas e Explosivos (Drae), informou o delegado. Segundo Turnowski, os agentes da Drae não sabiam que havia inocentes no Palio. Eles se dirigiam para Vicente de Carvalho, onde dariam reforço a uma operação da delegacia daquele bairro, quando foram avisados por motoqueiro de que o Palio havia sido roubado. "Poderia ser previsível que havia inocentes, mas eles não atiraram durante a perseguição. Só houve o confronto no valão." Turnowski disse desconhecer a versão de que os rapazes teriam tentado avisar que não eram criminosos.O delegado disse ainda não ver problema de o caso ser investigado pela Drae. "Não podemos partir do princípio de duvidar da integridade da instituição. A investigação será acompanhada pela Corregedoria e será submetida ao crivo do Ministério Público. Se a perícia comprovar que a versão dos policias é mentirosa, evidentemente a Polícia Civil não vai ter o menor constrangimento de apontar os culpados."Segundo Turnowski, os policiais, que passaram recentemente por curso de reciclagem de abordagem, ficarão afastados da área operacional da Drae temporariamente, "até mesmo para preservá-los". Eles tiveram as armas recolhidas e encaminhadas para perícia. "Não tenho motivos para dar os nomes dos policiais, já que a operação está sendo tratada como legítima." Em nota, o Exército lamentou a morte do soldado Rafael de Oliveira dos Santos e informou que abriu sindicância para apurar o caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.