Agentes da PF fazem 'operação padrão' nas fronteiras do País

Ação tem como objetivo, protestar contra as precárias condições de trabalho dos servidores que atuam nas localidades de difícil acesso

estadão.com.br,

24 Novembro 2011 | 10h41

SÃO PAULO - Os policiais federais que atuam nas fronteiras do Brasil, em conjunto com a Polícia Rodoviária Federal, iniciaram nesta quinta-feira, 24, uma 'operação padrão' como protesto contra as precárias condições de trabalho dos servidores que atuam nas localidades de difícil acesso.

Além de melhores condições de trabalho nas fronteiras, os policiais também reivindicam a Indenização de Fronteira e em áreas de difícil provimento; o fim da terceirização dos serviços da PF; a adoção de critérios claros na política de Remoções; o fim das perseguições a representantes sindicais e servidores e a uma política de enfrentamento ao Assédio Moral dentro do DPF.

Segundo o vice-presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Rio Grande do Sul, Ubiratan Antunes Sanderson, a operação atinge as cidades gaúchas de Chuí, Jaguarão, Aceguá, Santana do Livramento, Guaraí, Uruguaiana, São Borja, Porto Xavier e Porto Mauá.

Nestes postos da PF, "a fiscalização está sendo feita como deveria ocorrer normalmente, com processo imigratório rigoroso", explica Ubiratan. "Em Chuí, apenas um agente faz o trabalho de imigração. Hoje, são 10 pessoas fazendo o trabalho", explica. Por conta da operação padrão, o tempo de espera na imigração, que normalmente é de 10 minutos, hoje está levando 40 minutos para o estrangeiro receber a permissão para ingressar no País.

De acordo com Ubiratan, além do Rio Grande do Sul, agentes da cidade paranaense de Foz do Iguaçu também aderiram ao protesto. Ainda não há informação sobre um balanço da operação. O movimento pretende mobilizar servidores de 12 estados, entre eles Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Acre, Roraima, Rondônia, Amazonas, Maranhão e Pará, além do Distrito Federal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.