Agentes penitenciários desistem da greve em São Paulo

O protesto de agentes penitenciários de São Paulo, anunciado pela categoria para este sábado, 7, e com término previsto para o domingo de Páscoa, até o fim da manhã não obteve adesão dos funcionários. Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (SAP), todas as 144 unidades prisionais do Estado de São Paulo funcionaram normalmente neste sábado e os familiares visitaram e entregaram mantimentos aos detentos. A manifestação era contra a falta de segurança nos presídios, por melhores condições de trabalho e em solidariedade aos 21 agentes assassinados em São Paulo desde maio do ano passado. O horário de visitas aos presos começou às 7 horas na maioria dos presídios e centros de detenções provisórias paulistas e deve se estender até as 16 horas. Foi feito um levantamento junto aos estabelecimentos penais, incluindo os das regiões oeste do Estado, Grande São Paulo e Campinas, que deveriam ser as mais atingidas pelo protesto. A SAP reiterou ainda, através de sua assessoria de imprensa, que não recebeu qualquer comunicado oficial do sindicato da categoria sobre a realização dos protestos neste fim de semana. O órgão assegura que só foi avisado sobre o luto pela morte do agente Antonio Carlos Ataliba, assassinado em sua casa, em Osasco, na Grande São Paulo, na última terça-feira. Para simbolizar o luto, a categoria iria trabalhar com tarjas e lenços pretos.

Agencia Estado,

07 Abril 2007 | 20h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.