Agentes penitenciários mortos em ataques são enterrados em SP

Pelo menos 50 pessoas prestaram a última homenagem ao agente penitenciário, Amauri Aparecido Bonilha, de 49 anos, que foi enterrado hoje no cemitério do Araçá, na Zona Oeste de São Paulo, às 9 horas. Também foi enterrada a mulher dele, a agente penitenciária, Cecília Maria da Silva, de 43 anos.Os dois formam mortos na madrugada da última sexta-feira, quando faziam um lanche em um bar na Vila Maria, na Zona Norte de São Paulo, a poucos metros da casa de Bonilha.Antonio Tadeu Bonilha, de 51 anos, irmão de Amauri, contou que o irmão estava na profissão há 26 anos e que já havia trabalhado na extinta Casa de Detenção. Ele disse ainda que Amauri não tinhamedo de morrer por causa do trabalho. "Mesmo assim, todo agente penitenciário tem um inimigo por estar dentro do sistema prisional", disse.Amauri deixou quatro filhos, o menor com 13 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.