Agentes vigiaram cunhado lobista durante 4 meses

Irmão de Lu Alckmin, Paulo Ribeiro é investigado por compra superfaturada de merenda e foi espionado a pedido da promotoria

Fausto Macedo, O Estado de S.Paulo

12 de janeiro de 2011 | 00h00

Paulo César Ribeiro, cunhado do governador Geraldo Alckmin (PSDB), foi seguido e espionado por agentes a serviço do Ministério Público do Estado durante quatro meses. Eles filmaram e fotografaram o lobista em Pindamonhangaba, no Vale do Paraíba, onde ele mora. Também foi alvo do monitoramento o ex-secretário de Finanças da cidade Silvio Serrano.

Ao todo, 15 imagens ilustram o documento confidencial sobre a vigilância ao irmão de Lu Alckmin, mulher do governador, e ao ex-secretário. Em 24 de agosto, os agentes escreveram: "Conforme solicitação foram procedidas diligências na Rua Barghis Mathias, Parque Ypê, Pindamonhangaba, cadastrado em nome de Thiago César Ribeiro."

Paulão, como o cunhado de Alckmin é conhecido na cidade, mora na Rua Barghis Mathias. Thiago é um de seus filhos. "O local trata-se de uma residência e, ao lado, no número 140, existe um galpão com inscrições na parede (Velório Rede Sesolupe), cadastrado em nome de Nilton César Vieira", destaca o texto. Paulão é sócio do Cemitério Memorial da Paz.

A intenção do Ministério Público era conseguir um flagrante de encontro do lobista com Serrano. A promotoria suspeita que Ribeiro indicou Serrano para o cargo de secretário a fim de abrir as portas na administração municipal para a Verdurama, fornecedora de merenda escolar.

O cunhado de Alckmin seria o elo entre a Verdurama e pelo menos 20 prefeituras. A empresa, segundo suspeita o Ministério Público, era favorecida em licitações dirigidas: em troca, teria de fazer doações para campanhas eleitorais dos prefeitos.

Trânsito. No fim de outubro, Serrano foi demitido do cargo de secretário de Finanças pelo prefeito João Ribeiro (PPS), pressionado pela Câmara Municipal de Pindamonhangaba. O ex-vice prefeito João Bosco Nogueira afirmou à promotoria que o lobista tinha trânsito intenso na gestão municipal desde o período de transição - embora não fizesse parte da equipe -, inclusive na secretaria comandada por Serrano.

Os agentes da promotoria montaram bases em outros endereços - todos em Pindamonhangaba - para monitorar os investigados: Rua Major José dos Santos, Estrada Jesus Antonio de Miranda, Avenida Nossa Senhora do Bom Sucesso e Rua Dona Emília Imediato.

Durante vários dias, os agentes acompanharam o movimento no pátio de estacionamento da Prefeitura de Pindamonhangaba. Eles clicaram Serrano entrando em seu veículo, um Honda Civic dourado.

Também fixaram posto na Rua Monte Pascal, bairro da Lapa, na capital paulista, onde fica a sede da Verdurama. Os agentes tinham informação de que o lobista e Serrano iriam participar de uma reunião na empresa supostamente para fechar acordos e valores de comissões sobre os contratos com a prefeitura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.