''Agora, crianças ficam chutando lata ou brigando''

Moradores reclamam dos CEUs

Mônica Cardoso, SÃO PAULO, O Estadao de S.Paulo

04 de maio de 2009 | 00h00

Os Centros Educacionais Unificados (CEUs) foram criados com a proposta de ser um espaço de lazer e esporte a toda a comunidade que mora no seu entorno. O teatro das unidades foi pensado para reunir a maior parte das atividades culturais, como a projeção de filmes, espetáculos de dança, shows e peças de teatro. Os moradores, no entanto, dizem que o número de eventos está diminuindo desde a gestão anterior de José Serra (PSDB) e de Gilberto Kassab (DEM). "Eu ia muito quando o CEU foi inaugurado. Uma vez por semana, eu assistia a algum filme", diz a cabeleireira desempregada Raquel Elaine Barbosa, de 36 anos, que mora próximo ao CEU Butantã. A região não conta com nenhum teatro. O cinema mais próximo, no Shopping Raposo Tavares, está desativado para reforma. "E, mesmo assim, o ingresso é muito caro, em torno de R$ 18", diz. "Antes, você não via nenhuma criança nas ruas durante o fim de semana. Agora, elas ficam chutando latas ou brigando." Sua vizinha, Adriana Marilaque Costa, de 32 anos, concorda. "Muitas vezes, o tema dos filmes não interessa e as crianças já os assistiram. O teatro é bonito, grande, cabem 400 pessoas, e tem uma boa estrutura", diz. Adriana conta que havia uma maior divulgação da programação, até mesmo nos pontos de ônibus do bairro. Na outra ponta da cidade, no CEU São Mateus, na zona leste, a situação é semelhante. "Muita gente da comunidade nunca tinha assistido a uma peça ou a um espetáculo de dança", conta Laércio José de Souza, presidente da Associação dos Moradores do Jardim da Conquista. Ele terminou o ensino fundamental no CEU, em 2005. "Eu já assisti aqui a peças com (as atrizes) Tônia Carrero e Regina Duarte e a show com a (cantora) Alcione. Os espetáculos eram tão procurados que os ingressos se esgotavam em pouco tempo. Não era todo mundo que gostava ou entendia espetáculos de dança contemporânea, mas eu assistia a todos. O filme Carandiru, por exemplo, passou aqui antes de estrear nos cinemas", conta Laércio.Segundo o líder comunitário, os shows agora são feitos por artistas da própria comunidade, quando querem lançar um CD. "O governo constrói muitos prédios de CEU, mas não dá continuidade ao trabalho que já era feito."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.