Daniel Teixeira/AE
Daniel Teixeira/AE

Agora ''Ex'', Lula apenas relaxa

No primeiro dia fora da Presidência, ele ficou em casa em São Bernardo e frustrou alguns fãs

Roberto Almeida, O Estado de S.Paulo

03 de janeiro de 2011 | 00h00

Em seu primeiro dia de descanso pós-Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva ficou em casa com a família no apartamento onde mora, na Avenida Francisco Prestes Maia, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista. Não recebeu visitas e não atendeu aos apelos de Maria das Graças Leite, 49, aposentada, que, embrulhada em uma bandeira do PT, encarou a chuva forte de ontem na Grande São Paulo e passou o dia todo em frente ao edifício onde ele mora.

A solitária admiradora chegou às 10 horas, acompanhada do filho Guilherme. Os dois gritaram o nome de Lula, cantaram jingles de campanhas passadas e entoaram até Como é grande meu amor por você, de Roberto Carlos. Tanto fizeram para chamar a atenção do ex-presidente que ele apareceu na varanda de seu apartamento, às 11h, para um aceno.

Ao lado da ex-primeira-dama, Marisa Letícia, Lula parecia cansado da passagem de bastão do dia anterior e da festa de recepção em São Bernardo do Campo, oferecida pelo prefeito Luiz Marinho (PT). Logo após o rápido aceno, ele se recolheu.

Não demorou e juntaram-se a Maria e a seu filho outras três pessoas pedindo por Lula. O pequeno grupo ficou boa parte do tempo sob o toldo da entrada do edifício do ex-presidente. Passadas duas horas, com nova serenata de jingles e canções de Roberto Carlos, Lula reapareceu, agora vestindo uma camisa regata azul e bermudas. Ofereceu mais um breve aceno, ao lado de Marisa, e se recolheu novamente.

Às 14 horas, um segurança avisou a admiradora que Lula desceria para cumprimentá-la, o que não passou de promessa. O ex-presidente manteve-se recluso ao lado da família. Havia a expectativa de que viajasse para o Guarujá, no litoral paulista, mas ele passou o dia em casa. "Ele está muito cansado", procurou esclarecer o segurança.

No trecho da rua em frente ao edifício onde mora o presidente, cartazes de saudação pendurados nos postes e alguns canteiros de flores destruídas, lembravam a festa de recepção oferecida a ele na noite anterior. Mesmo debaixo de uma garoa insistente, cerca de 1.500 pessoas aguardaram mais de três horas para se despedir do presidente.

A surpresa da festa foi a presença do presidente do Senado, José Sarney. Quando ele começou a discursar, a plateia iniciou uma vaia, substituída por aplausos assim que ele esclareceu: "Vim para elogiar." / COLABOROU ROLDÃO ARRUDA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.