Agora, polícia quer entender a vida profissional de Staheli

A polícia vai pedir à Shell uma listagem com nomes e cargos de funcionários que mantinham contato com o executivo norte-americano Todd Staheli, assassinado em casa no último dia 30 junto com a mulher, Michelle, com o objetivo de descobrir se ele tinha inimigos ou se havia contrariado interesses nos quatro meses em que trabalhou no Rio. O chefe de Polícia Civil, Álvaro Lins, disse que os investigadores vão se debruçar sobre detalhes da vida profissional de Staheli, que era diretor de Gás e Energia da Shell para Brasil e América Latina. ?Num caso de homicídio, investiga-se quem tinha interesse na morte das vítimas, seja profissional, passional, religioso, o que for?, afirmou, lembrando que não há uma linha principal de investigação. ?Queremos saber com quem ele se relacionava, se tinha criado inimizades ou contrariado interesses.?Treze dias depois do crime e apesar de a Shell afirmar que passou todas as informações requeridas pelos policiais, Lins disse que ainda não se sabe qual era a função exata de Staheli na companhia. Segundo a empresa, o vice-presidente da área de Gás e Energia, Antônio Assunção, e a secretária de Staheli já prestaram depoimento e responderam a todas as perguntas relacionadas às atribuições dele na empresa.O chefe de Polícia afirmou desconhecer se ele era auditor e se estaria investigando desvio de dinheiro ? o que é negado pelaShell. A companhia informa apenas que o executivo, que trabalhava lá havia doze anos, estava envolvido com o gasodutoBolívia-Brasil. Divulga ainda que está cooperando com a polícia para que o caso seja elucidado. O laptop que Staheli usavaprofissionalmente foi entregue para a perícia, assim como o computador da casa da família.O secretário de Segurança Pública, Anthony Garotinho, voltou a declarar que todas as hipóteses são viáveis, menos a de rouboseguido de morte. Ele discordou publicamente de Álvaro Lins, que disse na quinta-feira que a polícia está ?na estaca zero? emrelação às investigações. ?Não estamos na estaca zero, muito pelo contrário.Segundo os investigadores do FBI que estão no Rio para acompanhar o caso, estamos fazendo todos os procedimentoscorretos, estamos no caminho certo.?Para ler mais sobre o crime na Barra da Tijuca: » Crianças Staheli vão embora depois de confusão na Justiça » Caso Stahelli ?na estaca zero?. Opinião do chefe da polícia » Caso Stahelli ?na estaca zero?. Opinião do chefe da polícia » Caso Staheli: técnico de futebol desmonta tese da polícia » Filhos do casal Staheli já embarcaram para os EUA » Filha dos Staheli já pode ser liberada para voltar aos EUA » Garotinho diz que investigação no caso Staheli é perfeita » Corpos do casal Staheli seguem para aeroporto » Termina reconstituição; Exame em enxada dá negativo » Enxada encontrada na casa dos Staheli será periciada » Acumulam-se erros na investigação da morte dos Stahelis » Garotinho no centro da polêmica sobre os filhos de Staheli » Advogado dos Stahelis sugere que criminoso é estrangeiro » Caso Staheli: especialistas estranham demora da polícia » Polícia do Rio vai refazer perícia na casa dos Staheli » Parentes querem adiar reconstituição do crime dos Staheli » FBI manda investigadores para acompanhar casa Stahelli » Corpo de Michelle Staheli já foi encaminhado para necropsia » Polícia ainda não solicitou sangue de mulher de executivo » Morre Michelle Staheli, a mulher do executivo » Filhos do casal terão que prestar depoimento » Depoimento da filha mais velha tem contradições, diz secretário » Morte cerebral de Michelle Staheli é ?questão de tempo? » Situação de Michelle Staheli é ?extrema?, diz boletim » Polícia quer impedir que filha de executivo deixe o País » Mercado não acredita em ameaças ao executivo americano » Estado da mulher do executivo choca os parentes » Parentes do casal americano chegam ao Rio » Empresário americano podia estar sendo ameaçado

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.