Agricultor paga para não ser sequestrado

O agricultor Antônio Carlos Machado, de Capela do Alto, região de Sorocaba, teve sua camioneta F-1000 roubada eainda depositou R$ 3 mil na conta de um dos prováveis ladrões para não ser seqüestrado. Ele só procurou a polícia para denunciar a extorsão depois que o bandido, não satisfeito, passou a exigir mais dinheiro. O autor do crime, Paulo Marciano de Camargo, foi preso na noite desta segunda-feira, em um hotel na zona sul da Capital. Segundo o delegado Ubirajara Batista Mori, que efetuou a prisão em conjunto com policiais de São Paulo, ele é suspeito de ter aplicado o mesmo golpe contra outraspessoas, moradoras de Boituva e Tatuí. Camargo já responde a inquéritos por estelionato e furtos. Machado, que produz milho verde e mantém uma banca no Ceasa de São Paulo, teve a camioneta roubada no último dia 11, na frente de sua casa, em Capela do Alto, depois de ser rendido por dois rapazes armados. No veículo estavamtodos os documentos e três agendas pessoais. Passados alguns dias, começou a receber ligações no celular. "A pessoa dizia fazer parte de um grupo que ia me seqüestrar se eu não colaborasse." Se avisasse a polícia, sua família arcaria com as consequências. O autor dos telefonemas sabia que Machado tinha filhos e netos. Assustado, no dia 17, o agricultor depositou os R$ 3 mil pedidos na conta passada pelobandido. No dia seguinte, o homem voltou a ligar, exigindo mais R$ 3 mil. "Ele disse que eu tive sorte de terem roubado só a camioneta, sem me fazer nada." Sem condições de atender à nova exigência, o agricultor procurou a polícia. "Trabalho desde pequeno parasustentar a família, e o pouco que a gente tem ainda querem levar", desabafou. Com a prisão do autor da extorsão, ele esperava recuperar, ao menos, o dinheiro. "A camionetaeu sei que é mais difícil."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.