Água devasta 30 km de floresta

Rompimento de barragem deixou população em alerta

Nilton Salina, PORTO VELHO, O Estadao de S.Paulo

11 de janeiro de 2008 | 00h00

O rompimento da barragem da Pequena Central Hidrelétrica (PCH) Belém, na tarde de anteontem, em Vilhena (RO), a 520 quilômetros de Porto Velho, causou danos ambientais em uma faixa de 30 quilômetros na Floresta Amazônica, segundo a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Ambiental (Sedam). Equipes do governo, do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil sobrevoaram ontem a área para avaliar os impactos ao ambiente. Os bombeiros garantem que não há vítimas, mas as buscas continuam entre a barragem da PCH Rondon II, onde o grande volume de águas foi contido, e a PCH Belém. Anteontem, logo após o acidente, foi montada uma operação para retirar as famílias dos locais de risco. Cerca de 70 foram encaminhadas a abrigos improvisados em escolas de Pimenta Bueno, o município mais ameaçado, a 132 quilômetros da barragem. A maioria já retornou às casas.O governador de Rondônia, Ivo Cassol, confirmou ontem que houve falha na obra da barragem. Ele criticou os representantes da empresa responsável, o Fundo de Pensão Serra Carioca, que estiveram dois dias antes no local e não tomaram providências. "Agora o prejuízo material é gigante."Representantes da Serra Carioca chegaram ontem a Vilhena, mas não falaram com a imprensa. O acesso dos jornalistas ao local do acidente foi proibido pela empresa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.