Águia de Ouro empolga público com coreografias da bateria

Com o enredo "Deus fez o homem de barro e a Águia de Ouro, um Brasil feito à mão", uma homenagem ao artesanato brasileiro, a Águia de Ouro trouxe para a avenida 3.800 componentes, 25 alas e cinco carros. Quinta escola a se apresentar no Sambódromo do Anhembi, empolgou a platéia com a coreografia da bateria que entrou logo depois da comissão de frente, formada por bailarinas. A bateria da agremiação, que em 2006, ficou em sétimo lugar, fez uma evolução seguida de breque onde os ritmistas que chegaram a batucar agachados.Também ocorreram outras peripécias no momento em que percussionistas entraram no recuo e os tamborins permaneceram na passarela. Em fileiras, eles fizeram referência a águia do abre-alas e, em seguida, houve uma ´paradinha´ no samba. A escola, conhecida por apresentar temas polêmicos - como em 2006 quando tratou de pedofilia, fez um desfile bonito, com fantasias vistosas. Destaque para a ala mirim em que as crianças representaram bonecas de pano. Outro ponto foi oi casal infantil de mestre-sala e porta-bandeira. Na ala das baianas, as fantasias apresentavam muito brilho nas cores azul e branco para reproduzir a imagem de Nossa Senhora Aparecida. A escola apresentou problemas com tempo do desfile e, no final, alguns integrantes da harmonia chegaram empurrar os fotógrafos que tentaram se aproximar da bateria, quase do fim do desfile. Apesar disso,no último setor de arquibancadas, alguns foliões gritaram ´é campeã´. O presidente da seção São Paulo da Ordem dos Advogados do Brasil, Luiz Flávio Borges D´Urso desfilou na Águia de Ouro terceira vez. Ao final da apresentação, afirmou que ´a Águia tem tudo para ser campeã´. "Tivemos alguns problemas com o tempo, mas no geral fomos muito bem" declarou. D´urso não mora na Pompéia, bairro onde fica a escola, mas disse que se simpatizou pela escola por causa da amizade com presidente da escola Sidnei Daviuolo e também pelo tema do samba enredo da escola. "A Águia trata de assuntos sensíveis. NO ano passado foi a pedofilia e agora a importância dos artesãos".

Agencia Estado,

18 Fevereiro 2007 | 04h56

Mais conteúdo sobre:
carnaval carnaval 2007

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.