Ainda não há suspeitos da morte de Toninho do PT

Dezessete dias depois da morte do prefeito de Campinas, Antonio da Costa Santos, o Toninho do PT, a polícia ainda não tem provas conclusivas sobre os autores do assassinato. Toninho foi morto com um tiro na Avenida Mackenzie, próximo à Rodovia Dom Pedro I, na noite do último dia 10. O delegado secional, Ormar Porcelli, da Delegacia Secional de Campinas, disse hoje que novas diligências são feitas diariamente em busca de informações sobre o caso e que as antigas pistas continuam sendo seguidas. Mas, por enquanto, a polícia ainda não tem nenhum suspeito. Porcelli comentou que há uma grande ansiedade para que seja feita a identificação das impressões digitais encontradas em um Vectra prata abandonado perto do local do crime. Esse veículo participou de uma tentativa de assalto contra o motorista de um Vectra verde, cerca de 20 minutos antes do assassinato do prefeito. Depois, esse veículo fez várias ultrapassagens irregulares na Avenida Mackenzie no horário do crime. Porém, a polícia não conseguiu comprovar que os ocupantes do Vectra foram autores do disparo que matou o prefeito. "Aguardamos com ansiedade a identificação das digitais", disse Porcelli. Ele comentou que os quatro fragmentos e digitais encontrados no veículo pertencem a duas ou três pessoas, conforme a perícia.Segundo o delegado, há vários depoimentos a serem colhidos pelos policiais, mas ele não detalhou quando esses depoimentos irão ocorrer e nem a que pessoas se refere.

Agencia Estado,

27 de setembro de 2001 | 19h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.