Air France diz que 80 brasileiros estavam a bordo de avião

Avião desaparecido leva 228 pessoas; estavam a bordo 126 homens, 82 mulheres, sete crianças e um bebê

01 de junho de 2009 | 10h27

Parentes e amigos buscam informações no prédio da administração do aeroporto. Marcos D' Paula/AE    

 

SÃO PAULO - A Air France informou nesta segunda-feira, 1, que havia 80 brasileiros a bordo do Airbus A300-200 que desapareceu após decolar do Rio de Janeiro com destino a Paris, afirmou o representante da companhia aérea no Rio. Segundo o gerente da Air France no aeroporto Tom Jobim, Antonio Jorge Assunção, 37% dos 216 passageiros do voo 447 eram brasileiros e 34% franceses. A lista de passageiros só deverá ser divulgada pela companhia depois que os parentes forem comunicados e a nacionalidade dos 216 passageiros for checada com a Polícia Federal brasileira. Não há previsão do horário em que a imprensa terá acesso aos nomes.

 

Veja também:

Avião que ia do Rio a Paris com 228 a bordo desaparece no Atlântico

blog Acompanhe a cobertura pelo blog Tempo Real

lista Voo 447: Confira os passageiros confirmados até o momento

som Podcast: Especialista não tem dúvidas de que avião da Air France caiu no mar

som Podcast: Coronel da FAB fala sobre o desaparecimento do avião da Air France

especial Cronologia dos piores acidentes aéreos dos últimos dez anos

mais imagens Veja Galeria de fotos

especial Anac monta sala no Galeão para familiares; veja telefones de contato

video TV Estadão: Especialista fala sobre o acidente

Airbus pode ter sido atingido por raio durante tempestade

Voo 447 pode ter tido problemas em zona intertropical

'Eu fiquei branco, não sabia o que fazer', diz brasileiro em Paris

Ministro francês descarta que avião ainda esteja voando

 

A Air France informou que entre os passageiros do voo 447, que está desaparecido desde a madrugada estão 126 homens, 82 mulheres, sete crianças e um bebê, além dos 12 tripulantes: entre os 12 tripulantes, um era piloto; dois eram copilotos, e nove eram comissários. Além dos 80 brasileiros, estão a bordo 73 franceses, 18 alemães, 9 italianos, 5 chineses, 4 húngaros, 6 norte-americanos, 2 espanhóis, 2 ingleses, 2 marroquinos e 2 irlandeses. Além deles, o voo tinha passageiros de Angola, Argentina, Bélgica, Filipinas, Noruega, Polônia, Romênia, Rússia, Eslováquia, Suécia, Áustria, Islândia e Turquia, em um total de 24 nacionalidades.

 

Segundo a Anac, algumas pessoas optaram por não informar telefones de contato no cartão de embarque, como é recomendado, e isso está dificultando o contato com suas famílias. A Air France já está entrando em contato individualmente com os familiares dos passageiros do voo  em dois centros de atendimento no Rio de Janeiro, no Aeroporto do Galeão e no hotel Windsor, na Barra da Tijuca. A ANAC pede para que as pessoas que tiverem informação sobre familiares que estariam nesse voo procurem o centro de atendimento da Air France no Aeroporto do Galeão ou no hotel Windsor (av. Sernambetiba, 2630, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro), ou liguem para os telefones de atendimento da Air France: no Brasil, 0800 881-2020 e, em Paris, 33-1-5702-1055.

 

Funcionários da Air France estarão no Salão Nobre do Aeroporto Internacional do Galeão, localizado no 1º andar do prédio da administração, para dar informações e apoio às famílias. Em Paris, os familiares serão recebidos num local especialmente reservado no aeroporto de Paris Charles de Gaulle 2. 

 

A Anac divulgou ainda dois números de telefone para os parentes dos passageiros do voo Air France KLM 447, que desapareceu enquanto sobrevoava o oceano Atlântico, saindo do Rio de Janeiro, com destino a Paris. São eles: (61) 3366-9303 ou (61) 3366-9307. A Anac reitera que esses telefones são destinados somente para os parentes dos passageiros dos voo 447 que desejam informações.

 

A Air France também disponibilizou números para informação: (21) 3212-1806, (21) 3212-1884, (21) 3212-1889, (21) 3212-1894; Para todo o Brasil: 0800 881 2020; para a França: 0800 800 812; para outros países: + 33 1 57 02 10 55.

 

(Alberto Komatsu, Isabel Sobral e Pedro Dantas, de O Estado de S. Paulo, e Fabiana Marchezi e Rita Cirne, do Estadão.com.br, e Reuters)

 

Matéria atualizada às 13h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.