Airbus derrapa em Congonhas e se choca contra prédios

Um Airbus A320 da TAM sofreu um graveacidente nesta terça-feira ao não conseguir frear quandopousava em Congonhas, em São Paulo. O avião atravessou umaavenida em frente à cabeceira do aeroporto e se chocou com umposto de gasolina e dois prédios. O Airbus, que fazia o vôo JJ 3054, com origem em PortoAlegre, tinha 176 pessoas a bordo, informou a TAM. O chefe dogabinete de Julio Redecker (PSDBB-RS), líder da minoria naCâmara, informou que o deputado seria um dos passageiros. Não havia um balanço sobre as vítimas do acidente, mashospitais da região informaram que estavam atendendo pessoasque se encontravam no prédio da TAM Express, um dos que foramatingidos pelo avião. O acidente desta noite pode ser o pior da aviaçãobrasileira, superando a tragédia de setembro do ano passado,quando um Boeing da Gol caiu no Mato Grosso matando 154pessoas. PAVOR Após mais de duas horas de combate às chamas, asautoridades de segurança estavam isolando a área. Havia temoresde que o posto explodisse. "A gente mesmo está com medo de ficar por lá", disse umpolicial, que pediu para não ser identificado. Testemunhas que estavam no local na hora do acidente nãoescondiam o pavor que sentiram no momento. "O avião vinha derrapando, parecia que ele estava taxiando,nunca vi um negócio tão feio", disse Luís Santos, da empresaCTS de vigilância e segurança, que estava em um gol preto noposto na hora do acidente. A lateral do veículo ficou marcadapor estilhaços da fuselagem do avião. "Dava para ouvir o barulho da turbina aumentando e o aviãocrescendo. Ele passou ''lambendo'' bem na altura dos fios. Nahora que deu a pancada, explodiu tudo", acrescentou Santos. Dezenas de viaturas do corpo de bombeiros e de ambulânciasse encontravam no local. Até as 21h, a Secretaria de SegurançaPública do Estado confirmava apenas que um corpo havia sidoretirado do local do acidente, sem fornecer detalhes. Em outubro de 1996, a região próxima ao aeroporto deCongonhas viveu outra tragédia. Um avião da TAM caiu logo apósa decolagem, com morte de 99 pessoas, incluindo três vítimasfatais em terra. Segundo laudo divulgado à época, uma falha noequipamento provocou o acidente. Famílias que entraram comações na Justiça receberam, anos depois, indenizações quevariaram entre 300 e 800 mil dólares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.