Ala que apóia conservação vence eleição no Conpresp

Articulação de secretários esvazia ofensiva de vereadores e arquiteto José de Assis Lefèvre é reeleito

Sérgio Duran, O Estadao de S.Paulo

07 Agosto 2029 | 00h00

O arquiteto e professor da USP José de Assis Lefèvre foi reeleito ontem presidente do Conselho Municipal de Defesa do Patrimônio Histórico (Conpresp), virando um jogo que, há um mês, era dado como perdido para defensores da preservação de bens históricos. O grupo teve como adversários vereadores, que, apoiados pelo mercado imobiliário, defendiam o esvaziamento do papel dos técnicos no órgão, ligado à Secretaria Municipal da Cultura. A ala pró-mercado acabou tendo de se contentar com uma saída honrosa proposta pelo prefeito Gilberto Kassab (DEM).No discurso feito na cerimônia de posse dos novos conselheiros, ontem, Kassab afirmou que a tendência é de vetar o projeto da Câmara, aprovado quinta-feira, que tira poder de decisão do Conpresp, transformando-o em órgão consultivo. Mas disse que abrirá grupo de estudos para avaliar as reivindicações dos vereadores. Após a posse, os nove conselheiros foram para uma sala contígua ao auditório, com acesso restrito, para discutir a eleição do presidente.O Estado apurou que o secretário de Cultura, Carlos Augusto Calil, abriu a sessão e perguntou quem se candidatava à presidência. Só Lefèvre se apresentou. Calil, que articulava a manutenção do viés preservacionista do conselho, ganhou o apoio do secretário de Estado da Cultura, João Sayad, e do governador José Serra na semana passada. Com isso, barrou a articulação da presidência da Câmara, que pretendia colocar na presidência o vereador Toninho Paiva (PR) - único conselheiro que não foi aplaudido na cerimônia de ontem. A polêmica começou quando o conselho limitou a altura de prédios em três regiões da cidade, frustrando projetos de construtoras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.