Alagoas paga R$ 400 mil por armas que não recebeu

A Secretaria de Defesa Social de Alagoas investiga o desvio R$ 400 mil que deveriam ter sido usados na compra de armamento destinado às polícias Civil e Militar do Estado. O dinheiro foi liberado pelo governo federal através do Fundo Nacional de Segurança Pública e deveria ter sido pago à fábrica Beretta, da Itália. A denúncia foi feita hoje, durante o Conselho Estadual de Defesa Social, pelo advogado Pedro Montenegro, do Fórum Permanente Contra a Violência, e confirmada hoje pelo secretário de Defesa Social, Antônio Arecippo, que presidiu a reunião do Conselho, em lugar do governador Ronaldo Lessa (PSB). Sem demonstrar surpresa com a informação, o secretário disse que já havia comunicado o problema ao governador. ?Quando tomei conhecimento, comuniquei o fato ao governador numa conversa reservada e, mais tarde, quando tomei as primeiras providências, tornaria público o fato?, justificou Arecippo. A revelação deixou perplexos vários representantes do Conselho. O próprio Arecippo demonstrou estar constrangido. O ouvidor-geral do Estado, Geraldo Magela, também surpreso, informou que o problema poderá ser investigado pela Polícia Federal. Segundo Montenegro, consta que o dinheiro foi repassado há dois anos para uma empresa de importação com sede em São Paulo, mas o armamento, um lote de escopetas, nunca chegou a Alagoas. A fábrica italiana garante que as armas estão prontas para embarque, enquanto a importadora paulista justifica o atraso pela falta de alguns documentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.