Reprodução /Instagram Governador Alagoas
Reprodução /Instagram Governador Alagoas

Alagoas tem seis mortes e 56 mil desabrigados e desalojados após fortes chuvas

Com rios transbordando, cidades alagoanas sofrem com falta de água, energia elétrica e bloqueio de rodovias

Italo Cosme, especial para o Estadão

05 de julho de 2022 | 02h47

Ao menos seis pessoas morreram e 56 mil estão desabrigadas ou desalojadas por conta das fortes chuvas registradas em Alagoas nos últimos dias. O balanço é da Defesa Civil estadual nesta segunda-feira, 4.  De acordo com o órgão, 56 dos 102 municípios alagoanos estão em situação de emergência.  Este é o maior volume de chuvas registrado no Estado nordestino desde 2010.

A quantidade intensa de precipitações atinge o território desde maio, o que tem resultado na cheia de vários rios. O governo federal já tinha reconhecido a situação de emergência para 23 localidades, mas ontem adicionou mais 15 na condição.  Estas cidades podem solicitar recursos à União para ações de socorro e assistência humanitária. 

Em junho, os óbitos foram registrados em Coruripe, Palmeira dos Índios, Campo Alegre e São Miguel dos Campos. Já neste mês foram contabilizadas mortes em União dos Palmares e Matriz de Camaragibe. Um em cada município. 

No Twitter, o governador Paulo Dantas (MDB) atualiza as ações conjuntas tomadas com o comitê instalado para enfrentar a crise. Na manhã desta segunda, o chefe do executivo alagoano anunciou a ampliação do auxílio-chuva para R$ 2 mil reais. Além de cestas básicas, kits de higiene pessoal, água potável e colchões. 

Na cidade de União dos Palmares, uma das principais de Alagoas, o fornecimento de água e de energia elétrica foram interrompidos desde sábado. O prefeito Kil suspendeu a 32.ª edição da festa do milho prevista para o fim de semana. 

Na cidade litorânea de Atalaia, o rio Paraíba do Meio transbordou no sábado, 2. Nesta segunda, a prefeita da cidade anunciou as ações de reparos.  “Os prejuízos ainda estão sendo contabilizados e vamos precisar da união de todos. Nossas equipes estão indo de casa em casa, registrando com fotos e relatos toda a situação que estamos enfrentando.”

O governador Paulo Dantas autorizou a utilização de escolas estaduais na região do Vergel para receber os desabrigados, a pedido da prefeitura de Maceió, capital de Alagoas


Nesta segunda, o  Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu aviso de alerta para 51 cidades alagoanas. Conforme o órgão federal, o estado pode registrar precipitações entre 30 a 60 mm/h ou 50 a 100 mm nesta terça-feira. A quantidade traz risco de alagamentos, deslizamentos de encostas, transbordamentos de rios, em cidades com tais áreas de risco. A orientação vale para a o leste e agreste Alagoano.

Suporte da União

Alagoas recebeu neste ano cerca de R$20 milhões para investir em ações de resposta a desastres naturais, conforme o Ministério do Desenvolvimento Regional.  O titular do ministério, Daniel Ferreira, e o da Cidadania, Ronaldo Bento, visitaram o estado nesta segunda. 

Bento, conforme a Agência Brasil, informou que o governo federal deve antecipar o pagamento do benefício de prestação continuada (BPC) a 112 mil famílias alagoanas.

Servidores do Ministério da Saúde e membros das Forças Armadas e da Polícia Rodoviária Federal (PRF) foram mobilizados para auxiliar os órgãos estaduais a prestar socorro e assistência humanitária às pessoas afetadas.  Mais de 200 integrantes do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil estão atuando no socorro e na assistência à população, além da utilização de 3 aeronaves.

Uma equipe técnica do Ministério da Cidadania, responsável pela coordenação do Sistema Único de Assistência Social, também foi enviada ao estado para ajudar na gestão de alojamentos provisórios para as famílias desabrigadas e na compra de insumos básicos.

Na noite de ontem, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) notificou bloqueio em quatro rodovias: BR-316, BR-104, BR-101 e BR-416. O tráfego interestadual tem sido prejudicado.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.