Alckmin abre campanha de vacinação em SP

O governador de São paulo, Geraldo Alckmin, abriu hoje a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite (paralisia infantil), no Centro de Saúde 1, em Pinheiros, onde aplicou as gotinhas na primeira criança. A meta do governo estadual é atingir, até as 17 horas, 95% das crianças até 5 anos de idade. Na primeira fase da campanha, essa meta não foi atingida em 32% dos municípios do Estado, onde 225 mil crianças deixaram de ser vacinadas. "Como o dia está ensolarado, esperamos chegar perto dos 100% de cobertura", disse o governador.Alckmin lembrou que a paralisia infantil é uma doença erradicada no país, mas que é preciso estar vigilante para que não volte a aparecer. Além da pólio, as crianças que estão com a vacinação atrasada estão recebendo também as vacinas contra difteria, tétano e coqueluche (DPT), tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) e hepatite B.Ao todo, existem 11.800 postos de vacinação em todo o Estado, 2.900 deles localizados na capital e na região metropolitana, incluindo a rede de supermercados Carrefour. O secretário estadual da Saúde, José da Silva Guedes, lembrou ainda que não há contra-indicações à vacina. As crianças devem ser levadas ao posto mesmo que estejam gripadas, com febre ou diarréia.Isenção de ICMS para taxistas estimula renovação da frotaGeraldo Alckmin aproveitou para declarar que a isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS) para os taxistas deve estimular a renovação de 20% da frota de cerca de 66 mil táxis do Estado, no período de um ano. Com a medida, os veículos sairão com um valor 12% mais barato."Além de estimular a economia e criar empregos em todo o setor automotivo, estaremos colaborando para a diminuição da poluição, principalmente nas regiões metropolitanas, já que os carros mais novos são menos poluentes", disse o governador.Ao contrário da isenção federal do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), que só vale para táxis a álcool, o benefício estadual é para qualquer tipo de veículo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.