Alckmin acusa Lula de uso eleitoral de Medida Provisória

Menos de 15 minutos depois da entrevista do presidente e candidato à reeleição, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a rádios do Norte do País, o candidato Geraldo Alckmin (PSDB) deu uma entrevista à CBN de Manaus. O tucano acusou o governo Lula de estar usando eleitoralmente o adiamento do anúncio da MP que determina regras para a produção de semicondutores de TV Digital.Alckmin rechaçou críticas da imprensa local de que ele e o governador eleito de São Paulo, José Serra, e o de Minas Gerais, Aécio Neves, todos tucanos, seriam "inimigos da Zona Franca de Manaus". "Meu compromisso não é com o governador A ou B, é com o Brasil. O Estado de São Paulo tem um parque industrial enorme como Minas. O que não acho correto é o governo (federal) segurar essa Medida Provisória para depois da eleição e ser prejudicial ao Estado do Amazonas. Eu vou trabalhar pelo Estado do Amazonas, pelo Brasil. Eu já conheço a Zona Franca e nossa idéia é fazer crescer o parque industrial para gerar mais empregos para nossas comunidades", disse.Parque industrial de ManausEle prometeu manter o parque industrial de Manaus. "Nossos adversários passam boatos e mentiras de que somos contra a Zona Franca. Não sou, primeiro porque fui constituinte e a Zona Franca foi construída como um modelo de sucesso. E a Zona Franca foi prorrogada até 2023."O entrevistador insistiu em um compromisso de Alckmin com o pólo produtor de semicondutores para o Amazonas. "Nós não vamos deixar enfraquecer o parque industrial de Manaus. É modelo que deu certo, é vital para Manaus e municípios próximos. Esse é o meu compromisso. E mais, vou liberar os recursos contingenciados da Suframa. E criar uma nova Sudam, num novo modelo, com pólo de produtos químicos, fármacos, jóias, da TV Digital."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.