Alckmin acusa novamente Lula de privatizar Amazônia

A eleitora indecisa Lucilene Damasceno, de Belém do Pará, quis saber do candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, no debate realizado pela Rede Globo, nesta sexta-feira, sobre seu plano para o desmatamento das florestas do Brasil. Alckmin criticou a lei de concessão da Floresta Amazônica. "É quase a privatização da floresta". "O fato é que, nos últimos anos, o governo Lula mandou ao Congresso, aprovou e sancionou um projeto que permite a exploração de terras da floresta em regime de concessão. As empresas não têm a propriedade da floresta, mas a concessão. O concessionário da floresta poderá explorá-la por 30 anos, renováveis por mais 30 anos", disse.Lula destacou que "essa lei foi provada por todos os partidos políticos. Vai ter uma concessão e essa pessoa vai ser fiscalizada pelo Ibama, pelo Ministério Público e quando tirar uma árvore vai ter que plantar outra no lugar".Alckmin, corrigiu Lula, dizendo que o termo é privatização e não concessão e disse que não há mecanismos de fiscalização em funcionamento no País. "Está dando por 60 anos uma área que é 12 vezes o Estado do Acre", disse Alckmin, alertando Lula de que ele deveria ouvir o discurso dos ambientalistas, como Fábio Feldman, ex-secretário do Meio Ambiente do Estado, que são contrários ao regime de concessão. "Eu vou fazer o zoneamento econômico e ecológico do país, trabalhar pelo Pará e pelo Amazonas".O tucano voltou a atacar o governo Lula, citando que "foram desmatados 85 mil quilômetros na Floresta Amazônica. É quase o Estado do Pernambuco". E acrescentou que é necessário delimitar e fiscalizar. O petista rebateu os números de Alckmin e disse que a queda no desmatamento chegou a 52% em dois anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.