Alckmin admite que busca apoio de Garotinho

O candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, indicou hoje manter tratativas com o ex-governador do Rio Anthony Garotinho para tentar conseguir este apoio à candidatura presidencial tucana. Embora tenha dito que não fala com Garotinho há um mês, o tucano fez questão de enfatizar a contribuição que o ex-governador fluminense traria à campanha."Claro que quem foi candidato a presidente da República e teve uma votação expressiva, tem votos", disse Alckmin, após participar de café da manhã com deputados estaduais paulistas do PSDB, PFL, PMDB, PPS, PTB, PP, PV, PDT, PRB e PSB, em um restaurante no bairro dos Jardins, na capital paulista. "Mas não vou cometer a indelicadeza de discutir isso (apoio de Garotinho) pelo jornal porque isso não está colocado nesse momento", acrescentou.Alckmin afirmou que, por não ter candidato à Presidência da República, o PMDB é um partido cobiçado e, por isso, ele tem trabalhado para obter apoio das lideranças do partido. "Tivemos já os apoios do presidente do partido, deputado Michel Temer (SP), do vice-presidente do PMDB Elizeu Padilha, dos (ex-)governadores Jarbas Vasconcellos (PE), Joaquim Roriz (DF), Luiz Henrique (SC), do candidato a governador do Mato Grosso do Sul pela legenda, André Puccinelli, e temos obtido apoio de diretórios importantes do PMDB", contabilizou.Para o candidato tucano, o eleitor do PMDB tem mais afinidade com o PSDB do que com o PT. "Até porque eu fui vereador, prefeito, deputado estadual e federal pelo MDB, o velho ´manda brasa´, e pelo PMDB. Temos mais afinidade e acho que vamos crescer entre os eleitores do PMDB porque o partido não tem candidato a presidente da República", justificou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.