Alckmin aponta fraco crescimento da economia no governo Lula

O candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, apontou o fraco crescimento do Brasil no último ano, destacando um ranking divulgado pela revista The Economist, sobre o desempenho econômico dos países emergentes. O Brasil, entre estes países, ocupa a 27ª - e portanto última - posição no ranking. "O Brasil cresceu 2,3% no ano passado. Na América Latina só cresceu mais do que o Haiti".Lula disse que o candidato tucano "é daqueles brasileiros que, se deu no New York Times, vale, se não deu, não vale". Quanto ao ranking da The Economist, Lula disse que a comparação deve ser feita em relação ao período passado. "O Brasil não pode ser comparado com o Haiti nem com a China. O Brasil deve ser comparado consigo mesmo."O candidato à reeleição aproveitou para ressaltar que "nunca, na história da economia brasileira, foram criadas as condições para o crescimento sustentável". Ele destacou os recordes na exportação, o crescimentos nas vagas de emprego e a diminuição de brasileiros que "saíram" da linha da pobreza. "O Brasil está preparado para dar um salto", afirmou Lula, acrescentando que a economia brasileira não está como ele queria. Ele disse que o país está num "momento excelente" e que está preparado para crescer e se desenvolver. "Com muita seriedade, não perde por esperar porque o Brasil vai crescer muito nos próximos 15 anos".DesempregoAlckmin, em sua posição de oposição, disse que o resultado dessa fraca conjuntura econômica do Brasil são os altos índices de desemprego. "Entre os jovens, 40% estão desempregados. As mulheres estão sofrendo. Dá para crescer muito mais." Mas Lula atribuiu o fraco crescimento à herança do governo anterior. "O brasileiro é inteligente, ele sabe como eu herdei esse País." Segundo ele, no próximo período, o Brasil vai crescer "muito rápido porque preparamos o terreno".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.