Alckmin ataca petista em programa eleitoral

Mercadante foi acusado de ter faltado à sessão do Senado que aprovou a liberação de US$ 1 bi para modernização da CPTM

Bruno Tavares, Ivan Fávero, O Estado de S.Paulo

26 de agosto de 2010 | 00h00

Pela primeira vez desde o início do programa eleitoral, o candidato do PSDB ao governo do Estado, Geraldo Alckmin, partiu para o ataque contra seu principal adversário, o petista Aloizio Mercadante. No teaser inserido logo nos primeiros segundos da propaganda noturna na TV, o locutor acusou Mercadante de ter faltado à sessão do Senado que aprovou a liberação de US$ 1 bilhão (R$ 1,7 bilhão) para a modernização da rede da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

"Senador Mercadante, não adianta fazer discurso bonito se o senhor falta ao trabalho na hora de ajudar nosso Estado, de cumprir seu dever, de aprovar empréstimos e verbas para beneficiar os paulistas", disse o locutor. O vídeo, em letras garrafais, trazia a seguinte mensagem: "Senado, 8 de maio de 2008. Votação de mais de um bilhão de dólares para a CPTM comprar novos trens, expandir o Metrô e melhorar o transporte para os paulistas". A frase ainda foi repetida na íntegra mais uma vez e, em seguida, entrou no ar a campanha de Alckmin, que não mais mencionou Mercadante.

O senador negou ter faltado à sessão e disse que vai buscar na Justiça direito de resposta. "As acusações são mentirosas e equivocadas", afirmou Mercadante. "Não foi US$ 1 bilhão, mas US$ 535 mil. (O empréstimo) foi aprovado no plenário em sessão simbólica e eu estava presente."

Mercadante acrescentou ainda que, em 22 de abril de 2008, sob sua presidência, o assunto foi colocado na pauta da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado. O candidato petista afirma que, na ocasião, indicou o relator da matéria e pediu urgência na votação em plenário. "Não está correto o que estão fazendo".

Foi a mais incisiva reação do tucano à decisão do PT de concentrar esforços em São Paulo para tentar levar Mercadante ao segundo turno da disputa pelo governo do Estado. A principal estratégia petista é buscar atrair votos para Mercadante explorando a imagem e os altos índices de aprovação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Assim como no programa do presidenciável tucano José Serra, a propaganda de Alckmin tratou de não ligá-lo diretamente aos ataques. Na campanha de Serra na TV, as investidas contra a candidata petista à Presidência, Dilma Rousseff, têm vindo no final dos programas. O teaser de Alckmin surgiu no início da propaganda eleitoral.

Debate. Mercadante dedicou todo o seu programa noturno na TV para reprisar trechos do debate promovido anteontem pelo Estado e a TV Gazeta. Na maioria das falas destacadas, o petista apareceu exaltando o governo Lula e criticando a gestão tucana em São Paulo. / COLABOROU MALU DELGADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.