Alckmin chama nova onda de escândalos de "mensalama"

O candidato à Presidência da República pelo PSDB, Geraldo Alckmin, classificou no início da tarde desta terça-feira, 19, a nova sucessão de escândalos do atual governo de "mensalama". "A política agora é um ´mensalama´. Parece um novelo sem fio, um balaio de caranguejo. Você puxa um e vem uma lista. Agora tem até assessor do presidente envolvido, no mundo triste do submundo da política", afirmou o candidato.Alckmin cumpre agenda na Baixada Fluminense, nas cidades de São João de Meriti, Nova Iguaçu e Duque de Caixas.O candidato também criticou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que concorre à reeleição, e recebe em Nova York o prêmio de Estadista do Ano. "Acho muito triste que o Brasil tenha um presidente que não sabe de nada, que não ouve nada e que tem assessores ligados ao crime. É uma história triste de fim de governo", disse.O candidato manifestou esperança de que os novos escândalos o ajudem a chegar ao segundo turno nas eleições. "Esperteza demais come o dono", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.