Alckmin contrapõe desemprego ao ´deixa o homem trabalhar´

O esquema dos programas eleitorais apresentados na noite desta quarta-feira mudou pouco. A coligação "Por Um Brasil Decente", do candidato do PSDB Geraldo Alckmin, mais bateu na candidatura adversária do que apresentou propostas de governo. E "A Força do Povo", do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato à reeleição pelo PT, mencionou o crescimento do candidato no final da campanha, para manter o foco, depois, apenas no setor agrícola.A novidade foi uma provocação feita pelos tucanos. No final da propaganda, surge numa penumbra de uma sala de classe média, uma família sentada ao sofá. A mulher diz que o marido está desempregado e, num tom entre revolta e súplica, pede: "Lula, deixa o homem trabalhar", apontando o esposo.Hoje, o horário eleitoral coincidiu com o encerramento da campanha, com comícios dos dois lados, em São Paulo. Foi aberto pela coligação "Por Um Brasil Decente" , com uma cantiga biográfica de fundo, para cenas de acolhimento pelo povo e um discurso do candidato Geraldo Alckmin: "Domingo você vai decidir se o Brasil continua como está ou melhora. O Lula não tem pressa. Eu tenho sim." Alckmin aparece em diversos Estados apontando problemas pontuais, para anunciar um plano de obras em todo Brasil - estradas, casas, água, esgoto, energia elétrica. "Se tem obras, tem trabalho. Tem trabalho, tem salário e se tem salário a indústria cresce," argumentou, para em seguida recomendar bom exemplo e seriedade. "Não roubar, não deixar roubar. Isso é seriedade. Seriedade faz bem pro seu bolso, pode acreditar", diz o tucano. E a frase é repetida durante o programa, que depois apresentou realizações nas áreas de Saúde, Transportes e Educação, além dos programas sociais que "agora Geraldo vai levar para o Brasil." Criticou o governo Lula por ter tratado mal os aposentados do País e prometeu a eles que vai tratá-los melhor. Foco na agriculturaA coligação "A Força do Povo" iniciou seu programa lembrando que a cinco dias da eleição, Lula continua a crescer nas intenções de voto, conforme a Pesquisa Datafolha publicada divulgada nesta terça-feira, dia 24 - tem 61% contra 39% de Alckmin. Depois, Lula abre sua participação focando seu pronunciamento na força da agricultura, do rebanho do País, do Plano Safra e as medidas de incentivo ao agronegócios.Abordou os problemas enfrentados pelos produtores, especialmente os de soja, nos últimos dois anos. E recordou os bons resultados da cana, da laranja e do café. "O governo tem criado a cada dia instrumentos de proteção com efeito mais definitivo, como o seguro agrícola", afirmou Lula. A propaganda mencionou também a agricultura familiar e o seguro criado para ela e foi calçada pelo depoimento de produtores do Sul. Não fez qualquer menção ao adversário, a não ser a de que tem perdido pontos nas pesquisas. Cenas com um criador de ovelhas do Sul, "Seu" Freitas, aprumando a montaria e cavalgando 27 quilômetros para ir votar, encerram o programa com o slogan: "Sou Lula e compareço."As duas campanhas usaram o testemunhal de governadores eleitos no primeiro turno e, também, de candidatos que disputarão a eleição de governador no domingo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.