Alckmin critica política externa do governo Lula

O candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, quis discutir a política externa do governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), no debate da TV Bandeirantes deste domingo. Para o tucano, os últimos três anos de política externa foram um fracasso. "O governo perdeu o Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas), a presidência do Bird (Banco Mundial) e foi humilhado pela Bolívia", afirmou. E ainda citou o caso da China acusando a gestão petista de não defender os interesses do Brasil.Lula começou respondendo com um bordão: "Cada macaco no seu galho, dizia minha mãe". E defendeu as opções de seu governo: "O Brasil é o maior centro de compra da América Latina. Antes, os investidores viravam as costas para nós. Agora, não mais", assegurou. O petista também defendeu as posições de sua gestão em relação à Bolívia, dizendo que o País respeita a autonomia do vizinho e que não é mais tempo para bravatas, o que prevalece agora são parcerias. Alckmin respondeu dizendo que, por trás desse palavreado de Lula, há um ´presidente fraco´. "A Petrobras perdeu. A Bolívia vai aumentar o preço do gás, o que cria insegurança jurídica porque não respeita contratos", argumentou. E voltou a acusar Lula de não defender os interesses do País. "China defende emprego na China. O Brasil precisa defender o interesse brasileiro. Olha o resultado da invasão de produtos chineses", referindo-se à falta de investimento em nossas indústrias e produtos, o que seria uma das causas do desemprego. Para Lula, Alckmin parece estar ainda na "Guerra Fria", quando propõe defesa de interesses brasileiros. "Temos superávit comercial com a China. Vendemos para China 100 aviões da Embraer. Já os países vizinhos, como Bolívia e Uruguai, ajudamos suas economias. É muito fácil fazer as bravatas do Bush".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.