Alckmin culpa Judiciário por superlotação na Febem

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) culpou hoje o Poder Judiciário pela superlotação nas unidades da Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor (Febem). Segundo ele, houve um "aumento muito grande" de casos nos quais os jovens infratores são privados da liberdade, inclusive enviados a outras cidades. "O menor que deveria ficar no Interior do Estado está vindo para São Paulo porque a Justiça manda a uma velocidade enorme", disse. Denúncia da Promotoria da Infância e da Juventude, publicada hoje pelo O Estado de S.Paulo, mostra que a Unidade de Atendimento Inicial (UAI) do Brás da Febem abrigava na sexta-feira 408 jovens, num espaço feito para acomodar 62 menores. Alckmin classificou a situação como "emergencial" e assegurou que estará resolvida em, no máximo, um mês. De acordo com o governador, o Estado registra hoje 4.500 menores em regime de privação da liberdade. "O número de menores que está sendo enviado pela Justiça é muito grande", afirmou. O governador destacou que a privação de liberdade é para casos de delitos graves e a Febem vem se empenhando para manter os jovens em unidades perto das famílias e com uma agenda educativa. Na visita feita pelos promotores da Infância e da Juventude à unidade do Brás, foi constatado que os menores apenas assistem TV todo o dia, sem nenhuma atividade pedagógica ou profissinalizante.Para resolver o problema da superlotação, o governador destacou que ainda esse mês duas novas unidades regionais serão inauguradas, em Sorocaba e em Marília, ambas com capacidade para 72 menores cada. "Estamos começando a construção de outra UAI no Brás", disse, acrescentando que outras 15 unidades estão em obras em todo o Estado. "Só não fazemos isso mais depressa porque existe um preconceito muito grande contra a instalação de unidades da Febem por parte da população", afirmou. Alckmin esteve hoje na cidade de Suzano, na Grande São Paulo, para a cerimônia de lançamento da pedra fundamental do Parque Municipal Max Feffer.

Agencia Estado,

01 de setembro de 2001 | 16h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.