José Luís da Conceição
José Luís da Conceição

Alckmin defende criação de agência nacional de inteligência

Governador de SP propõe que órgão una União e Estados no combate a crimes como lavagem de dinheiro e tráfico de drogas

Thaís Ferraz Fernandes, especial para o Estado

27 Outubro 2017 | 17h44

SÃO PAULO - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), defendeu na manhã desta sexta-feira, 27, a criação de uma agência nacional de inteligência, que uniria esforços da União e dos Estados no combate a crimes como tráfico de drogas, tráfico de armas e lavagem de dinheiro. A sugestão foi dada durante o Encontro dos Governadores do Brasil pela Segurança Pública e Controle das Fronteiras, realizado em Rio Branco, no Acre. O evento teve como tema "Narcotráfico: uma emergência nacional" e reuniu governadores e representantes de 23 Estados brasileiros.

+++ Temer diz que insegurança dos brasileiros é 'emergência nacional'

"Crimes transnacionais e interestaduais exigem uma união de esforços de todos; por isso, defendemos que seja institucionalizada a Agência Nacional de Inteligência, ligada diretamente ao presidente da República", declarou Alckmin em coletiva de imprensa realizada durante o evento.

+++ Forças de segurança fazem operações em morros do centro e zona norte do Rio

O governador também aproveitou a ocasião para "cumprimentar" o Congresso Nacional pela aprovação da lei que torna crime hediondo a posse e o porte ilegal de armas de fogo de uso restrito, como fuzis. O presidente Michel Temer anunciou nesta quinta-feira, 26, a sanção da lei.

+++ Denúncia contra guardas-civis cresce 138% em 5 anos; maioria é arquivada

Em artigo publicado hoje no jornal O Rio Branco, Alckmin defende a integração entre os Estados no combate aos crimes transnacionais e interestaduais e explica a proposta da Agência Nacional de Inteligência. O órgão uniria esforços da União e dos Estados, por meio de agentes das Polícias Federal e Rodoviária Federal, das Forças Armadas e da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), além de agentes de inteligência estaduais. A agência seria ligada diretamente à Presidência da República, sob coordenação do Gabinete de Segurança Institucional.

 

 

Convênios 

O governador também aproveitou o encontro para anunciar que oferecerá a outros Estados a possibilidade de firmar convênios com São Paulo para adoção do WebDetecta, sistema que integra bancos de dados das polícias paulistas. O sistema reúne informações de 3.355 câmeras de vigilância em todo o Estado e, segundo Alckmin, possibilitou a prisão de mais de 5 mil pessoas em um ano e meio. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.