Alckmin defende reforma tributária ''por etapas''

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, defendeu ontem a ideia de que a reforma tributária seja feita em etapas e não aumente nem diminua a carga de impostos. Após se reunir com o governador de Minas, Antonio Anastasia, no Palácio dos Bandeirantes, Alckmin reconheceu que uma proposta de reforma ampla encontraria dificuldades para ser aprovada no Congresso.

ANNE WARTH, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2011 | 00h00

"Na minha opinião, a reforma deve ser neutra sob o ponto de vista da carga tributária, sem aumentar nem diminuir impostos", afirmou. "Se quiser fazer uma reforma tributária complexa, vai encontrar muitas dificuldades. Como não é fácil de ser feita, deve-se ir por etapas."

Alckmin também disse ser favorável à simplificação do modelo tributário e à descentralização da arrecadação de impostos. "Acho que se deve avançar muito na questão da simplificação do modelo tributário, que é muito complexo, caro e dificulta a vida do contribuinte", disse. "O Brasil é uma República federativa, mas muito centralizada na área federal. Em um país continental, quanto mais delegar e descentralizar, fortalecer Estados e governos locais, melhor."

O governador mineiro, Antonio Anastasia, disse considerar a reforma tributária uma questão "urgente". A prioridade, de acordo com ele, deve ser uma nova discussão sobre os royalties. "Minas tem hoje uma situação extremamente negativa e toma prejuízo na área de royalties minerais, principalmente com minério de ferro", avaliou o tucano. "O prejuízo não é apenas em relação à não incidência da Lei Kandir sobre as exportações minerais, mas em relação ao valor pequeno dos royalties."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.