Alckmin diz que chegou ao 2º turno por causa do povo brasileiro

Em entrevista coletiva, na tarde desta segunda, o candidato à Presidência da República, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou que chegou ao segundo turno por causa do povo brasileiro. Para ele, a prioridade é continuar a curva de desempenho na campanha para ganhar no segundo turno. "Eu participei de todos os debates no primeiro turno. Os debates ajudam a esclarecer e é sinal de respeito aos eleitores".O tucano aposta em um campanha propositiva e afirmou que, no segundo turno, "o que pesa" é a rejeição, e que seu índice é o menor. Alckmin também cobrou esclarecimentos sobre o dossiê Vedoin, elaborado sem sucesso para prejudicar a candidatura de José Serra, eleito governador do Estado de São Paulo no primeiro turno. "A sociedade brasileira está esperando a resposta de quem é o dinheiro, os donos das contas, de quem são os dólares. É o povo brasileiro que quer as respostas, que ainda não foram dadas", defendeu. Alianças políticasQuanto às alianças políticas, disse: "em meu governo, as prioridades educação, segurança pública e saúde". Eu telefonei para o Cristovam e brinquei ´quero falar com o senador Cristovam Buarque Educação´". "Vamos procurar os partidos políticos para apoio. Vamos procurar o PDT e vou ligar para Heloísa". Alckmin afirmou que o presidente do PSDB Tasso Jereissati já entrou em contato com diversos partidos. "Aécio e Serra são lideranças muito importantes e vão participar da campanha", afirmou. Ele assegurou também que os dois governadores eleitos no primeiro turno - Aécio por MG e Serra por SP - se dispuseram a viajar pelo Brasil em campanha.Contra reeleiçãoAlckmin também afirmou que é contra a reeleição. "No cenário atual, sou contra a reeleição por causa dos abusos que vimos", disse o tucano, numa crítica indireta a Lula, seu principal adversário. A declaração de Alckmin é também uma sinalização a dois de seus principais correligionários, José Serra e Aécio Neves, que são contra a reeleição. Isso porque os dois têm planos para concorrer ao Palácio do Planalto nas eleições de 2010, independente de quem vença o pleito deste ano.Agenda de campanhaAlckmin passou o dia de hoje em São Paulo e falou que sua campanha neste segundo turno será "pé na estrada e fé na estrada". O tucano almoçou em um restaurante no bairro do Itaim Bibi, acompanhado dos parlamentares tucanos Edson Aparecido e Tião Farias, do coordenador de seu programa de governo, João Carlos Meirelles, e do coordenador político de sua campanha, Sérgio Guerra. Alckmin foi abraçado, beijado e aplaudido pelos populares nas ruas. Muitos o chamavam de presidente.Na entrevista que concedeu na tarde de hoje, Alckmin voltou a dizer "que Lula já teve sua chance (na condução do País), mas a deixou passar". E criticou: "O governo (do PT) poderia ter avançado mais e dado o exemplo de ponto de vista ético, mas infelizmente não foi o que vimos." Colaborou Elizabeth LopesO texto foi alterado às 19h29 com inclusão de informação

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.