Alckmin diz que Febem é modelo e violência é caso isolado

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, disse hoje que as unidades da Febem são ?modelo para todo o Brasil? e que a morte do monitor Rogério Rosa, de 32 anos, por internos rebelados, ontem, foi causada por uma "minoria reincidente". ?Temos 68 unidades da Febem e falamos sempre de duas (as unidades 30 e 31, de Franco da Rocha), uma das quais já foi desativada?, disse. ?Duvido que um Estado invista tanto na questão do menor infrator?. Alckmin manifestou ?solidariedade para com a família do monitor?. Segundo o governador, dos 6.500 internos da Febem, ?a grande maioria não tem tido problema?. ?A minoria da minoria é reincidente.? Ele ressaltou que os maiores de 18 anos envolvidos em crimes já foram encaminhados para penitenciárias. De acordo com o governador, o modelo ideal é uma unidade pequena, e ?cada um (interno) deve ficar na sua região?. Hoje à tarde, cerca de 300 funcionários da Febem fizeram uma manifestação na frente da sede do órgão, na região central de São Paulo contra a morte de Rogério. A rebelião de ontem foi a 17ª do ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.