Alckmin diz que irá cortar gastos "na corrupção"

Ao ser questionado pelo presidente e candidato à reeleição, Luiz Inácio Lula da Silva, como irá cortar gastos em seu governo, durante o debate na Rede Record, nesta segunda-feira, o tucano Geraldo Alckmin alfinetou: "Primeiro, na corrupção". Alckmin ainda continuou: "Há gastos até na compra de ambulâncias", referindo-se ao caso da máfia das sanguessugas, que superfaturava dinheiro da União na compra de ambulâncias. O ex-governador de São Paulo disse também que irá reduzir gastos supérfluos. "O governo de Lula é o do aumento de gastos e desperdício, do aumento de imposto e do corte de investimento. Ele acha que está bom os investimentos, que está bom o crescimento de 2,5%". Para Alckmin, o Brasil não irá melhorar "em nada" desta forma. "Se o candidato acha que não dá para cortar, então não dá para crescer", disse. "Lula não tem olho para o futuro, só para o passado".Lula afirmou que 80% dos sanguessugas começaram antes de seu governo e que, graças a ele, o caso está sendo apurado. Voltou aos gastos públicos, afirmou que "quando se fala em cortar, se fala em cortar salários e deixar a máquina truncada". Mais uma vez, o presidente fez comparações com a gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso: "A economia cresceu mais que o governo passado e o Brasil continua crescendo".Alckmin rebateu dizendo que há diferenças entre os dois. "Adversário diz que não vai cortar despesas, então vai ter aumento de impostos já no ano que vem", projetou o tucano. "Eu vou reduzir impostos no ano que vem. Lula escolheu tirar dos aposentados para dar aos fundos de pensão. Tirou dinheiro da saúde e colocou na publicidade", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.