Alckmin diz que Lula foi irresponsável e segue confiante no 2º turno

O candidato à Presidência da República pela coligação PSDB-PFL, Geraldo Alckmin, afirmou nesta sexta-feira, 15, que o presidente e candidato à reeleição pelo PT, Luiz Inácio Lula da Silva, foi totalmente irresponsável ao dizer que 81% das quadrilhas e escândalos desmontados pela Polícia Federal tiveram origem no governo do ex-presidente tucano, Fernando Henrique Cardoso."Essa é a estratégia do PT, que diz que somos todos iguais. Não, não, não somos todos iguais, pois a corrupção no governo Lula não são fatos isolados", criticou ele na capital paulista.Segundo o tucano, a filosofia que predomina no governo petista é a de "aparelhamento do Estado, de que os fins justificam os meios e a do vale tudo". Ele lembrou que o procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza, chamou de quadrilha os responsáveis pelos escândalos neste governo.E emendou: "nós não aceitamos isso". O candidato comentou ainda que, ontem, em Juiz de Fora, ouviu o ex-presidente da República Itamar Franco comentar que após o impeachment de Fernando Collor de Melo, o único partido que não quis ajudar na reconstrução do País foi o PT.Serra e sanguessugasO ex-governador paulista também refutou as acusações divulgadas pela revista IstoÉ, a respeito do eventual envolvimento do candidato do PSDB ao governo de São Paulo, José Serra, na máfia das ambulâncias. "Não tem prova alguma, é acusação de véspera de eleição", ressaltou.Ele voltou a criticar o PT, dizendo que essa é a lógica de defesa do Partido dos Trabalhadores, "que não diz que vão punir ou moralizar a administração pública, mas utiliza a desculpa esfarrapada de que já aconteceu antes". Além disso, Alckmin salientou que o acusador Darci Vedoin já mudou a versão mais de dez vezes, "cada hora fala uma coisa".Ao comentar a mais recente pesquisa CNI/Ibope, Alckmin voltou a falar que estará no segundo turno destas eleições presidenciais e previu: "Lula não deve passar dos 45% (das intenções de voto) no dia 1º de outubro, vocês podem me cobrar isso depois".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.