Alckmin diz que nova denúncia contra o PT é mais uma da ´lista´

O candidato do PSDB a Presidência da República, Geraldo Alckmin, em campanha neste sábado no Ceará, disse que a denúncia divulgada pela revista Veja, que começou a circular neste sábado é mais uma "das denúncias contra o Governo Lula que já dá para fazer uma lista telefônica". A revista denuncia que a Secretaria de Comunicação teria gasto R$ 11 milhões com pagamento da campanha de eleição de Lula em 2002. "Tem que ser apurado com todo rigor", destacou Alckmin, em Senador Pompeu, no Sertão Central cearense, a 275 quilômetros de Fortaleza.Alckmin esteve acompanhado do presidente nacional do PSDB, o senador cearense Tasso Jereissati, chegou a cidade às 17h. Saiu em carreata até o Centro, quando parou na Igreja de Nossa Senhora das Dores. Depois seguiu a pé pelas ruas centrais e encerrou sua visita com um mini-comício para cerca de 3 mil pessoas, segundo a Polícia Militar (PM).O presidenciável tucano prometeu recriar a Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) e trazer mais indústrias para a Região "pra diminuir as desigualdades". No final do comício alfinetou o PT: "Certas coisas só se faz uma vez na vida. Nascer, morrer e votar no PT", provocou.Tasso Jereissati em seu discurso afirmou que o programa Bolsa-Família foi criado pelo PSDB e que o PT estava desvirtuando sua ação, "deixando o povo escravizado. O Bolsa Família está deixando o nordestino de cabeça baixa e mãos estendidas", criticou. Tasso ressaltou que a visita de Alckmin e Senador Pompeu era simbólica, "pois estamos no coração do Ceará para a arrancada rumo ao segundo turno".Alckmin esteve na manhã deste sábado em Cascavel, a 60 quilômetros de Fortaleza, onde visitou a feira da cidade. Depois gravou programas para o horário eleitoral em estradas cearenses, fazendo inclusive uma parada em frente a um motel na CE-040. Na noite de sábado (9) ele faz comício em Quixeramobim, a 210 quilômetros da capital cearense. Pernoita na cidade vizinha de Quixadá e no domingo (10) segue para Brasília.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.