André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Alckmin diz ser válida redução de maioridade para crimes hediondos

Defensor de uma proposta alternativa, governador de São Paulo recuou nas críticas a modelo defendido por parte do PSDB

Isadora Peron e Rafael Moraes Moura, O Estado de S. Paulo

25 de junho de 2015 | 13h55

BRASÍLIA - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou nesta quinta-feira, 25, que considera "válida" a proposta de reduzir a maioridade penal de 18 para 16 anos para crimes graves e hediondos. Defensor de uma proposta alternativa, para aumentar o prazo máximo de internação dos adolescentes infratores, o tucano recuou nas críticas ao modelo que é defendido por parte do PSDB.

"A redução da maioridade penal também é válida, acontece que implica mudança constitucional e mudança constitucional vai ter enorme discussão no Supremo Tribunal Federal. Pode ou não pode? Tem cláusula pétrea ou não tem? A nossa (proposta) não tem discussão, é rápida e imediata", afirmou.

A proposta defendida por Alckmin altera o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) para ampliar o prazo máximo de internação dos adolescentes infratores que cometem crimes hediondos de três para oito anos. O senador José Serra (PSDB) apresentou um projeto semelhante a esse, mas estabelecendo o limite de dez anos. 

Alckmin, no entanto, admite que, se a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que tramita na Câmara for aprovada, o projeto que altera o ECA torna-se, em parte, "desnecessário", porque os adolescentes a partir de 16 anos passariam a responder diretamente ao Código Penal.  

Apesar do recuo de Alckmin, a proposta do tucano ainda continua sendo apontada pelo governo como uma alternativa à redução da maioridade. Na terça-feira, 23, ao apresentar o Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen), o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, voltou a defender a ideia como sendo o melhor caminho para combater a impunidade.

Tudo o que sabemos sobre:
Maioridade penalGeraldo Alckmin

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.