Alckmin diz que reeleição é um pouco mais do mesmo

O candidato a presidente pelo PSDB, Geraldo Alckmin, afirmou em sabatina no jornal O Estado de S. Paulo nesta quinta que reeleição é "um pouco mais do mesmo" e que o novo traz uma força maior. Ele falou ainda da necessidade de uma reforma política, com fidelidade partidária, para melhorar a governabilidade. Afirmou que não se faz acordo em torno de poder, mas de propostas e condenou o que chamou de viés autoritário do PT. "O PT só tem projeto de poder. Falta patriotismo, uma política feita em torno do bem comum e não essa coisa de ganhar a qualquer custo".A declaração foi feita em resposta ao jornalista Celso Ming que perguntou sobre a declaração de Aécio Neves, com relação a um pacto de entendimento nacional como o proposto por seu adversário, Luiz Inácio Lula da Silva, que virtualmente está com a eleição ganha. Segundo a última pesquisa Datafolha, publicada na última terça-feira. O petista aparece com 61% contra 39% das intenções de votos do tucano, uma diferença de 22 pontos. Ming recordou que Aécio pensa diferente e acredita na possibilidade de um pacto. "Essas especulações eu acho que são um desrespeito ao eleitor. A eleição é no domingo e o PT está de salto alto."O jornalista Josué Leonel, da Agência Estado, recordou o sucesso das privatizações feitas por Fernando Henrique Cardoso e de Alckmin e da timidez da defesa feita pelos tucanos para as próprias realizações, na campanha eleitoral. "As privatizações trouxeram benefícios", disse o candidato tucano, citando Embraer, Vale do Rio Doce e a telefonia como exemplos. "A minha proposta não é vender ativos do Estado. Mas trazer a iniciativa privada para investir em áreas como a de Logística e em setores estratégicos. Eu defendo a Parceria Pública Privada -PPP."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.