Alckmin diz que rivais mentem

Candidato do PSDB não cita nomes, mas rebate informações do adversário do PT sobre participação de São Paulo no PIB

Roberto Almeida / SÃO PAULO, Tatiana Fávaro / CAMPINAS, O Estado de S.Paulo

20 de agosto de 2010 | 00h00

Em meio à disputa numérica que opõe a gestão do PT no governo federal e a gestão tucana no Estado, o candidato ao governo de São Paulo pelo PSDB, Geraldo Alckmin, disse ontem em Campinas que seus rivais passam "desinformação" por "falta de compromisso com a verdade".

Alckmin não citou nomes, mas rebateu dados do candidato do PT, Aloizio Mercadante, sobre a participação de São Paulo no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. De acordo com o petista, o Estado vem perdendo espaço na economia e crescendo abaixo do ritmo do País (leia mais na pág. A8).

"São Paulo está crescendo mais que o Brasil. É impressionante a desinformação que é passada na eleição, essa falta de compromisso com a verdade, de que São Paulo está perdendo PIB. Não, é o contrário. Desde 2004, São Paulo cresce acima do Brasil", disse o tucano, em discurso de inauguração do primeiro comitê suprapartidário fora da capital.

Depois, em entrevista coletiva, Alckmin preferiu não nomear as inverdades do processo eleitoral. "Eu procuro sempre dialogar com os eleitores, não com o concorrente, falando para frente o que nós vamos fazer", afirmou.

Dados. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o PIB de São Paulo cresceu, desde 2004, acima do PIB nacional - exceto em 2006, ano em que houve empate porcentual.

Em 2004, o PIB paulista cresceu 6,1%, ante 5,7% do bolo nacional. Em 2006, no entanto, o crescimento foi exatamente igual em ambas as esferas: 4%.

Em 2007, último ano aferido pelo IBGE com dados consolidados, São Paulo cresceu 7,4% enquanto o Brasil atingiu 5,7%.

Por outro lado, a participação de São Paulo no PIB nacional sofreu queda entre 2002 e 2004. Passou de 34,6% para 33,1% no período. Nos anos seguintes - 2005, 2006 e 2007 - São Paulo estacionou na participação com 33,9% do bolo nacional. O nível é inferior ao atingido em 2002.

Redutos petistas. Alckmin mantém a estratégia para amealhar apoio nas três principais regiões metropolitanas do Estado - Baixada Santista, Grande São Paulo e Campinas. As áreas concentram o voto petista.

O candidato aproveitou a visita a Campinas para reafirmar a intenção de transformar a Secretaria de Transportes Metropolitanos em Secretaria de Desenvolvimento e Gestão Metropolitana. A ideia, segundo ele, é reforçar as regiões metropolitanas de São Paulo com mais recursos.

Serra na TV. Antes de falar da própria candidatura aos correligionários e eleitores presentes no comitê, Alckmin afirmou que a campanha eleitoral na TV dá início ao trabalho de convencimento e argumentação do presidenciável José Serra (PSDB).

"Mário Covas dizia que o povo não erra, ele precisa ter todas as informações e para isso tem campanha. Uma coisa é apoio, outra coisa é campanha. Campanha é pedir voto, é convencimento, é argumento. Serra está preparado", afirmou o candidato tucano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.