Alckmin e Lula desistem de representações no TSE

As coligações dos candidatos Luiz Inácio Lula da Silva (PT-PcdoB-PRB) e Geraldo Alckmin (PSDB-PFL) desistiram de 11 representações pedindo ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) direito de resposta referente à propaganda eleitoral no rádio e na tevê. Os advogados dos presidenciáveis protocolaram a desistência no TSE, na sexta-feira. Do início da propaganda eleitoral, dia 15 de agosto, até agora, o tribunal recebeu 307 representações. A maioria delas, 137, foram movidas pelas coligações dos candidatos que disputam neste domingo a eleição em segundo turno.No primeiro turno, foram apresentadas 95 representações contra 42 na campanha que começou dia 2 deste mês. Os pedidos, de acordo com o TSE, referem-se a pedidos de direito de resposta (48), a pedidos de perda de tempo por invasão no horário eleitoral (59), a requerimentos pela abertura de investigação judicial (6) e a solicitações variadas (24), como utilização de trucagem, computação gráfica em inserções, acusação de ridicularização ou degradação de candidatos, entre outros. A coligação de Alckmin - Por um Brasil decente - protocolou 76 ações, contra 61 da coligação A Força do povo, de Lula.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.