Alckmin e Serra fazem campanha juntos e atacam Lula

Os candidatos do PSDB à Presidência da República e ao governo do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin e José Serra, fazem campanha juntos, nesta segunda-feira, no bairro do Itaim Paulista, no extremo da zona leste da capital paulista. O alvo dos tucanos foi o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.Alckmin disse que o PT e o governo Lula abriram uma ferida na política brasileira. "Com mau exemplo, visão autoritária e equivocada, má gestão e desperdício de dinheiro público", complementou o tucano.Na avaliação de Alckmin, todos esses problemas precisam ser corrigidos, e não apenas com reforma política. No seu entender, a corrupção se combate não permitindo a impunidade. "O governo Lula teve quatro anos e não fez reforma nenhuma. Retrocedemos sob o ponto de vista ético e, além disso, o Brasil cresceu muito pouco", recriminou ele.Já Serra ironizou a afirmação do presidente de que dará prioridade à reforma política, se for reeleito. "Não adianta agora, tardiamente, falar de reforma política. Todo mundo sempre fala (sobre a reforma), e na hora H, nunca se faz. É preciso ter determinação", disse Serra.Serra lembrou suas iniciativas para região, quando comandou a Prefeitura de São Paulo. Citou os projetos nas áreas de asfaltamento e pavimentação de ruas, na área da saúde e de saneamento. E prometeu que, se for eleito governador, vai implantar, na região, o metrô de superfície, através da linha "F" da CPTM. "É um trem moderno, com ar-condicionado, numa prioridade conjunta do governo e Prefeitura de São Paulo."Serra falou também que, se Alckmin for eleito presidente, São Paulo terá o seu apoio para implantar projetos prioritários na área de transportes. Alckmin concordou com Serra e disse que uma das prioridades na sua possível gestão será a área de transportes metropolitanos.Ainda nos discursos, Serra e Alckmin lembraram as realizações do governador tucano Mário Covas, morto em 2001, para a zona leste. Depois dos breves pronunciamentos, os dois fizeram uma rápida caminhada pelos arredores da Avenida Marechal Tito. A zona leste é a que concentra o maior colégio eleitoral da cidade, com 2.770.124 eleitores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.