Alckmin estuda plano emergencial para greve do Metrô

O governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou hoje que o governo estuda um plano emergencial, nos moldes adotados na cidade de Nova York, para enfrentar greves no Metrô. "Não é possível a população ficar refém de uma categoria que tem benefícios superiores aos de outras trabalhadores", afirmou ao ser perguntado sobre o risco de uma nova paralisação dos metroviários, amanhã na Capital. Segundo ele, o Metrô não tem nada mais a oferecer a seus funcionários, além do que já foi negociado. "Para dar o reajuste que foi acordado, o Metrô terá de vender parte de seu patrimônio", destacou. Alckmin disse que seu governo vai tomar todas as medidas necessárias para presevar os interesses da população. "Teremos atitudes duras", garantiu. O governador não explicou quais seriam as medidas adotadas no plano de emergência que está sendo estudado.

Agencia Estado,

25 Junho 2003 | 19h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.