Alckmin irá explorar cem escândalos do governo Lula no horário eleitoral, avisa José Jorge

O candidato a vice-presidente na chapa de Geraldo Alckmin, o senador pernambucano José Jorge (PFL), revelou em Teresina que o programa eleitoral de Alckmin vai subir o tom. Ele revelou que, durante os dezesseis programas, serão trabalhados os cem escândalos do governo Lula.José Jorge informou que o tom da campanha mudou, e agora prioriza as propostas, mas está mais dura, mais enfática. "O governo Lula foi o governo mais corrupto que tivemos no Brasil. Temos uma relação de cem escândalos. O ultimo foi o dossiê. Nunca explicaram de onde veio R$ 1,7 milhão para comprar o dossiê. As pessoas que estavam com o dinheiro são do PT ou trabalham com Lula, mas não explicaram de onde vinha o dinheiro. O Brasil não pode aceitar isso. É muito dinheiro e não tem explicação. Para tirar R$ 10 mil de um banco é a maior burocracia, mas o PT anda com dinheiro com a maior facilidade", questionou. "Eles têm que dizer de onde veio este dinheiro. Se for da criminalidade, não me admira. Estas pessoas que foram pegas com este dinheiro não são do 1º escalão, são do 2º e 3º escalão. Então, tem gente quatro estrelas do PT por trás deste dinheiro", sugeriu.O candidato informou que não tem tempo para usar os cem escândalos do PT e do governo Lula no guia eleitoral. "Temos 16 programas, e vamos utilizar os mais importantes e atingir mais diretamente para a população conhecer. Tem o das cartilhas que foram pagas com R$ 11 milhões de dinheiro público para dizer que o governo do Lula era bom. E as cartilhas não foram feitas. O TSE está investigando. Agora, o dossiê é mais importante e concentramos críticas no dossiê. Mas vamos tratar de todos. A população tem que saber disso. Alckmin vai mostrar o que pode fazer pelo país".BoatosO candidato a vice ainda reclamou que o PT e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva estão cometendo crime eleitoral quando espalham boatos que Geraldo Alckmin vai acabar com o Bolsa-Família e privatizar as estatais. "Isso é jogo sujo. É crime eleitoral. É o mesmo que querer comprar dossiê, andar com dinheiro sem origem declarada e coisa do tipo", comentou o senador ao desembarcar no aeroporto de Teresina, para o lançamento do movimento União por um Brasil Decente no Piauí.José Jorge revelou que a campanha vai se concentrar mais no Nordeste e no Norte, mas não esquecerá o restante do País. Ele reconheceu que Lula teve um melhor desempenho no Nordeste, "até porque houve uma série de boatos contra Alckmin". "Disseram que Alckmin ia acabar o Bolsa-Família, queríamos dizer que isso é mentira e que nossa intenção é aumentar o número e o valor do Bolsa-Família que foi criado no governo do PSDB. Não é invenção do Lula ou do PT. Queremos é aumentar o controle para evitar desvios e fazer justiça social", emendou.Apoios no segundo turnoSegundo o candidato, os petistas também mentiram quando diziam que não haveria segundo turno. "Agora temos três semanas para esclarecer a população sobre isso. Não vamos acabar com programas sociais e não vamos privatizar nada. Estão lançando boatos para aproveitar na campanha. Eles estão querendo dizer o que nós vamos fazer. Quem tem que dizer o que vai fazer é cada candidato. Não é Lula que vai dizer o que Alckmin vai fazer".O senador frisou que houve uma grande união das oposições pró-Alckmin no segundo turno. "Nós lançamos a campanha União pela Decência para Construir um Brasil Decente. Esta união inclui partidos, como o PSDB, PFL, PMDB, PDT, PP, PV e outros, para ganhar a eleição. Nós começamos numa situação difícil e tentaram criar fatos, dizendo que a eleição só teria um turno. Eles foram derrotados. Agora não tem mais isso. A eleição é dura, mas estamos crescendo e Lula caindo", assegurou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.